O Futuro é a Liberdade

Discussões sobre Software Livre e Sociedade

Archive for the ‘ODF’ Category

Pesquisa sobre Tecnologia e Educação

Posted by Paulo em 20/11/2012

Estou terminando minha pós-graduação em Docência no Ensino Superior na FAE de Curitiba. Nosso Trabalho de Conclusão de Curso é uma pesquisa sobre conhecimentos de professores e alunos a respeito de padrões e recursos tecnológicos que podem ser aplicados à educação.

Se você é estudante universitário (graduação e pós-graduação), ou professor (principalmente de áreas NÃO relacionadas à tecnologia de informação), e puder nos ajudar respondendo a um pequeno questionário que tomará cerca e 5 minutos do seu tempo, ficaremos muito agradecidos, e sua colaboração será muito importante para o nosso trabalho.

Assim que estiver pronto, o trabalho será disponibilizado para download neste blog e poderá ser útil para definir programas de treinamento e capacitação tecnológica para docentes.

O questionário está no endereço Pesquisa Tecnologia e Educação (http://www.varekai.org/tecnologia-e-educacao/limesurvey/index.php/survey/index/sid/273349/lang/pt-BR)

Agradeço desde já o apoio.

Abraços.

Posted in Apache OpenOffice, Aplicativos, BrOffice, Conhecimento Livre, cultura hacker, Cultura Livre, Debian Linux, Desenvolvimento colaborativo, Dropbox, Escritório Livre, Fedora, Hardware, iniciante em Linux, Legislação, LibreOffice, Linux Mint, Linuxacessível.org, Livros e Treinamentos, Mandriva, Microsoft, Netbooks, ODF, OpenOffice.org, Política, Smartphones, Software, Software Livre, Tablet PC, Ubuntu Linux, Virus, Wireless | Etiquetado: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | 1 Comment »

Apache OpenOffice: Instalação via repositório não oficial para Debian/Ubuntu/Mint

Posted by Paulo em 30/05/2012

Enquanto o Apache OpenOffice não fica disponível nos repositórios oficiais das distribuições Linux, alguns voluntários estão contornando o problema das instalações em modo gráfico e das atualizações automáticas através de repositórios não oficiais.

Marcelo Santana e Cláudio F. Filho, ambos da Comunidade Debian Brasil, criaram um repositório não oficial do Apache OpenOffice para Debian e derivados no Source Forge.

Os pacotes disponibilizados no repositório são exatamente os mesmos disponíveis no portal oficial do AOO. No entanto você pode incluir esse repositório no seu /etc/sources.list (ou na lista de repositórios da Central de Programas, ou do Gerenciador de Pacotes Synaptic, do Ubuntu).

O passo a passo para fazer isso é o seguinte: Continue lendo »

Posted in Apache OpenOffice, Aplicativos, BrOffice, Conhecimento Livre, cultura hacker, Cultura Livre, Debian Linux, Desenvolvimento colaborativo, Escritório Livre, Instalação de programas no Linux, instalação do Ubuntu, Linux Mint, ODF, OpenOffice.org, Software, Software Livre, Ubuntu Linux | Etiquetado: , , , , , , , , , , , , , , , | 5 Comments »

Lançado o Apache OpenOffice 3.4

Posted by Paulo em 08/05/2012

Acabo de receber um e-mail de Rob Wier na lista de desenvolvedores do Apache OpenOffice:

O Comitê de Gerenciamento do Projeto Incubado Apache OpenOffice tem o prazer de anunciar a liberação do Apache OpenOffice 3.4, disponível nas plataformas Windows, MacOS e Linux.

Os downloads estão disponíveis em: http://download.openoffice.org

O anúncio completo do lançamento pode ser acessado em:
http://www.openoffice.org/news/aoo34.html

Atenciosamente,

– The Apache OpenOffice PPMC

Posted in Apache OpenOffice, Aplicativos, BrOffice, Conhecimento Livre, cultura hacker, Cultura Livre, Desenvolvimento colaborativo, Escritório Livre, iniciante em Linux, Instalação de programas no Linux, LibreOffice, ODF, OpenOffice.org, Software, Software Livre | Etiquetado: , , , , , , , , , , , , | 1 Comment »

Apache OpenOffice está quase em RC.

Posted by Paulo em 23/04/2012

Apache OpenOfficeO Apache OpenOffice (AOO) é o resultado da doação, pela Oracle Inc., do código fonte e da licença de marca do OpenOffice.org para a Apache Software Foundation. Após quase um ano de muito trabalho duro, juntando os pedaços esparsos de código e reestruturando-os em um novo produto, a Fundação Apache está na reta final para entregar mais um ótimo aplicativo de escritórios em código aberto, a versão 3.4.0 do AOO.

As diferenças são várias, entre o AOO e o LibreOffice, e vão desde a metodologia para desenvolver e testar o software, passando pelas licenças de uso do software (GPL para o LibreOffice e Licença Apache para o AOO), até uma série de funcionalidades e a aparência.

De maneira geral, a cara do AOO 3.4.0 é a mesma do antigo OpenOffice.org. Mas, mesmo em um estado considerado instável pelos desenvolvedores, o AOO pré RC parece bastante estável para uso doméstico. A compatibilidade com grande parte das extensões usadas no OpenOffice.org, e agora no LibreOffice parece total. Pelo menos para as extensões que mais interessam para o público brasileiro: o Corretor ortográfico Vero, o Corretor gramatical CoGrOo e algumas extensões para exportação de arquivos em PDF, para o Google Docs, Mediawiki, etc.

A primeira diferença que se nota é o “splash”, agora com a logo da Apache Software Foundation. O nível de tradução da interface também está bastante razoável, o que significa que boa parte foi aproveitada do antigo OpenOffice.org. Algumas mensagens de erro, e algumas janelas de diálogo podem ter alguns problemas de tradução, mas nada que impeça ou atrapalhe o uso.

Uma diferença que notei é no menu de configuração. No Libreoffice, para ativar a função “Gravar macros”, é preciso ativar a opção “Ativar recursos instáveis”. No AOO não existe a opção “Ativar recursos instáveis” e a gravação de macros vem habilitada por padrão.

Outra grande diferença do AOO para o LibreOffice são as atualizações automáticas. O AOO já possui uma funcionalidade que procura por atualizações e as instala automaticamente.

Não fiz ainda uma avaliação profunda do novo software da Apache, mas minha primeira impressão foi muito boa

Para quem desejar baixar e instalar o AOO 3.4.0 pré RC, ele está disponível para download em:

http://people.apache.org/~arielch/packages/r1325589/linux_x86-64/ – Versão para Linux
http://people.apache.org/~jsc/developer-snapshots/ Versão para MacOSX e Windows

No meu Ubuntu 11.10, o AOO foi instalado sem problemas a partir dos pacotes disponíveis no link acima. A única ressalva é que os dois pacotes para a integração com o desktop, na pasta desktop-integration deram conflito com com os pacotes já instalados do LibreOffice. Isso foi contornado utilizando-se o comando sudo dpkg -i –force-all *.deb, apenas nos arquivos desta pasta.

A Comunidade Escritório Livre está tentando juntar esforços para ajudar na localização e documentação do AOO. Se você estiver interessado em ajudar, cadastre-se na lista geral da comunidade em http://listas.escritoriolivre.org/listinfo.cgi/geral-escritoriolivre.org. Pois, como ainda não há uma lista específica para as discussões da comunidade brasileira no ambiente do AOO (em breve, imagino, isso será solucionado), estamos nos virando como dá =).

Posted in Apache OpenOffice, Aplicativos, BrOffice, Conhecimento Livre, cultura hacker, Cultura Livre, Escritório Livre, iniciante em Linux, Instalação de programas no Linux, instalação do Ubuntu, LibreOffice, ODF, OpenOffice.org, Software, Software Livre | Etiquetado: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | 6 Comments »

Flisol Curitiba – 2012

Posted by Paulo em 09/04/2012

FLISOL – Festival Latino-americano de Instalação de Software Livre é um evento cujo propósito é promover o uso de software livre e a integração de comunidades de usuários de software livre em todos os países da América Latina. O evento acontece desde 2005 e seu e principal objetivo é promover o uso de software livre, apresentando sua filosofia, seu alcance, avanços e desenvolvimento ao público em geral.

Para executá-lo, serão realizados, simultaneamente, eventos em cidades diferentes em que especialistas irão instalar, de maneira gratuita e totalmente legal, software livre nos computadores das pessoas interessadas que comparecerem.

O evento, também conhecido como “Install Fest”, consiste em um grande encontro de pessoas com conhecimento em software livre e outras que querem conhecer mais sobre o assunto. Os visitantes deverão levar seus computadores ou notebooks para que voluntários ajudem a instalar o sistema operacional. Durante o período das instalações, são promovidas palestras de introdução (algumas filosóficas, outras técnicas), palestras sobre softwares específicos, palestras de grupos de usuários existentes, etc.

Dentre os softwares que serão instalados, estão distribuições de GNU/Linux e BSD, assim como programas livres para outras plataformas, como Microsoft Windows e MacOS.

O site oficial do evento é: http://www.installfest.info

Para mais informações sobre o FLISOL em Curitiba: http://softwarelivre.org/flisol2012-curitiba/apresentacao

Posted in Aplicativos, BrOffice, Conhecimento Livre, cultura hacker, Cultura Livre, Debian Linux, Desenvolvimento colaborativo, Fedora, Firefox, iniciante em Linux, Instalação de programas no Linux, instalação do Ubuntu, Kubuntu, LibreOffice, Linux Mint, Mandriva, Mozilla Firefox, ODF, Software, Software Livre, Ubuntu Linux | Etiquetado: , , , | Leave a Comment »

I ESLAPE – Encontro de Software Livre do Agreste Pernambucano

Posted by Paulo em 16/11/2011

Flag of Pernambuco

Image via Wikipedia

É com grande satisfação que o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia  de Pernambuco e a comunidade Software Livre do IFPE campus Belo Jardim, vêm apresentar o I Encontro de Software Livre do Agreste Pernambucano (I ESLAPE), a ser organizado pelo grupo de usuários de Software Livre do IFPE campus Belo Jardim. Este ano o evento ocorrerá nos dias 24 a 26 de novembro, na Faculdade de Ciências e Letras de Caruaru (FAFICA), na cidade de Caruaru-PE.

O grupo de usuários de Software Livre do IFPE nasceu no campus Belo Jardim, buscando aprofundar os conhecimentos dentro das áreas de informática, tendo em vista que a instituição possui em sua matriz curricular, do curso técnico em tecnologia da informação, disciplinas desenvolvidas exclusivamente com o uso de Software Livre. Esse grupo expandiu-se para para outras regiões de Pernambuco, como Sertão e Zona da Mata, onde seus membros difundem e promovem o uso das tecnologias abarcadas pelo Software Livre, estimulando a utilização do GNU/Linux e dos padrões abertos.

O evento tem como propósito expandir a cultura da informática e, particularmente, a filosofia dos sistemas operacionais padrão POSIX em geral e, especialmente, fomentar, desenvolver, apoiar e disseminar o uso do sistema operacional GNU/Linux em todas suas distribuições, plataformas e opções de configuração. Pretendemos promover um debate da comunidade nordestina, em especial do Agreste Pernambucano, acerca das temáticas que envolvem Software Livre, de maneira que possa ser ampliada a sua difusão tecnológica, conquistando desta forma mais adeptos à filosofia de compartilhamento do conhecimento.

Continue lendo »

Posted in BrOffice, Conhecimento Livre, cultura hacker, Cultura Livre, Desenvolvimento colaborativo, iniciante em Linux, Instalação de programas no Linux, instalação do Ubuntu, Linux Acessível, OASIS, ODF, Software, Software Livre | Etiquetado: , , , , , , , , , , , | Leave a Comment »

Comunidade Escritório Livre

Posted by Paulo em 11/11/2011

Comunidade Escritório LivreDesde que me entendo por usuário de software livre e colaborador em comunidades de software livre, as comunidades sempre eram “devotas” de um determinado software. Assim temos a comunidade do Ubuntu, do Fedora, do Mint, do Debian, do OpenOffice, do LibreOffice, do Caligra, enfim, muitos softwares e muitas comunidades, cada uma delas defendendo o seu ponto de vista.

Outra nuance interessante é que quando se faz parte de uma comunidade de “software livre” dedicada a um único software, o enfoque é frequentemente desenvolvimentista, ou seja, a maior parte das decisões são tomadas por desenvolvedores, assim como a maior parte dos créditos. É óbvio que desenvolvedores desenvolveram a ferramenta e possuem o mérito disso. Mas quem usa o software e quem o divulga é quem faz com que ele tenha sucesso. O sucesso do software é um conjunto complexo de bom código e iniciativas de uso e divulgação de pessoas que em sua maioria, não são desenvolvedores. resumindo:  a maioria ajuda a desenvolver a marca, mas não recebe os créditos por essas iniciativas, já que elas são muito difíceis de contabilizar em sistemas informatizados. Como se mede a participação de um membro em um congresso ou palestra? Como se dá o crédito por dicas e truques que um membro publica em seu blog, ou por documentação não oficial? A resposta é simples: não se dá. Até agora…

Continue lendo »

Posted in Aplicativos, BrOffice, Conhecimento Livre, cultura hacker, Cultura Livre, Desenvolvimento colaborativo, Dicas e truques, iniciante em Linux, LibreOffice, OASIS, ODF, OpenOffice.org, Software, Software Livre | Etiquetado: , , , , , , , , , | 2 Comments »

Os Prisioneiros da Micro$oft

Posted by Paulo em 10/11/2011

Este texto foi publicado originalmente na Revista A Rede, ano 7, n.74, Outubro 2011

Sérgio Amadeu da Silveira

Em 2007, o presidente da Microsoft do Brasil procurou o embaixador norte-americano em Brasília para acusar o governo brasileiro de fazer uma campanha mundial pela consolidação de um padrão aberto, o chamado Open Documento Format (ODF) . O relato do encontro faz parte dos documentos encontrados no CableGate, os vazamentos de mensagens trocadas entre o governo norte-americano e suas embaixadas, divulgados pelo Wikileaks.

Continue lendo »

Posted in Aplicativos, BrOffice, Conhecimento Livre, cultura hacker, Cultura Livre, Desenvolvimento colaborativo, iniciante em Linux, Legislação, LibreOffice, Microsoft, OASIS, ODF, OpenOffice.org, Software, Software Livre | Etiquetado: , , , , , , , , , , , , , , , , , | Leave a Comment »

O Deus do Dinheiro – Malvados

Posted by Paulo em 28/09/2011


Bem vindo ao mundo do software proprietário.

Créditos: Malvados – http://www.malvados.com.br/

Posted in Conhecimento Livre, cultura hacker, Cultura Livre, Desenvolvimento colaborativo, Humor, iniciante em Linux, Instalação de programas no Linux, instalação do Ubuntu, ODF, Software, Software Livre | Etiquetado: , , , , , , , , , , , , , | Leave a Comment »

ConvertePST – Importe seus e-mails do Microsoft Outlook

Posted by Paulo em 26/09/2011

Artigo original em Creative Commons BY-SA disponível em: http://marcelo.juntadados.org/node/view/convertepst—lidando-com-o-legado-do-microsoft-outlook

ConvertePST – Lidando com o legado do Microsoft Outlook

ConvertePST é uma ferramenta desenvolvida em Java que permite a navegação (leitura) de arquivos Personal Storage Table (PST) do Microsoft Outlook 2000/2003 com a possibilidade de exportação de mensagens armazenadas neste formato para o formato aberto de E-Mail descrito em RFC podendo ser importado em qualquer ferramenta de Correio Eletrônico.

O ConvertePST foi desenvolvido inicialmente para tratar do legado existente na Caixa Econômica Federal (CEF), durante a migração de sua infraestrutura de correio eletrônico do Microsoft Outlook / Exchange 2003 para a ferramenta de e-groupware Expresso Livre pela 4Linux Free Software Solutions e Prognus Software Livre e agora esta sendo disponibilizado livremente sobre a GPLv3.

Para baixar a última versão do Código-Fonte através do Git

git clone git@github.com:marcelo-soares/ConvertePST.git

Última versão já compilada (Java 1.6)

ConvertePST-1.0.14.tar.bz2 (md5)

Depedências para Compilação

convertepst-deps-20110922.tar.bz2 (md5)

Posted in Aplicativos, Conhecimento Livre, cultura hacker, Cultura Livre, Debian Linux, Desenvolvimento colaborativo, Fedora, Google Android, iniciante em Linux, Instalação de programas no Linux, instalação do Ubuntu, Jolicloud, Linuxacessível.org, Mandriva, Microsoft, ODF, OpenSUSE, Scientific Linux, Slackware, Software, Software Livre, Ubuntu Linux | Etiquetado: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Leave a Comment »

Como a Microsoft manipula governos para atingir seus interesses corporativos

Posted by Paulo em 09/09/2011

Logo used by Wikileaks

Esclarecedor artigo de Jomar Silva, um dos representantes brasileiros no OASIS, sobre as revelações do Wikileaks a respeito das manobras da empresa para evitar que a ABNT adotasse o padrão ODF como norma para um padrão aberto de documentos.

Artigo original disponível em http://homembit.com/2011/09/sobre-o-ataque-da-microsoft-a-soberania-nacional-wikileaks-microsoft-odf-e-openxml.html

Há alguns dias fomos todos surpreendidos com um documento encontrado no CableGate, trocado entre a embaixada norte americana no Brasil e o Governo Norte Americano em 2007. De acordo com este documento, a Microsoft fazia gravíssimas acusações contra o governo brasileiro, e apesar de ter se feito de ‘tolinha’ pelo relato da reunião, pedia indiretamente uma intervenção do Governo Norte Americano para frear o avanço do ODF no Brasil, conseguir o apoio brasileiro para a aprovação do OpenXML na ISO, frear a parceria entre o comitê técnico brasileiro e demais comitês internacionais que discutiam o padrão, reduzir a influência do Brasil no debate internacional sobre o OpenXML, além de acusar o Ministério das Relações Exteriores e a Casa Civil de estarem executando uma campanha anti-americana. Pior do que isso, insinuam ainda que o ODF é um padrão anti-americano !

Eu estava envolvido até o pescoço com tudo isso naquela época e tenho aqui todos os detalhes de bastidores que causaram esta reunião entre a Microsoft e o Embaixador Americano e posso afirmar categoricamente: Foi SIM um pedido velado de intervenção.

Continue lendo »

Posted in Aplicativos, BrOffice, Conhecimento Livre, cultura hacker, Cultura Livre, Desenvolvimento colaborativo, iniciante em Linux, Legislação, LibreOffice, Microsoft, OASIS, ODF, Política, Software, Software Livre, Wikileaks | Etiquetado: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Leave a Comment »

Wikileaks: Microsoft recorreu à diplomacia americana para barrar a adoção do ODF no Brasil.

Posted by Paulo em 07/09/2011

Artigo original disponível em:

http://www.arede.inf.br/inclusao/component/content/article/106-acontece/4647

Wikileaks: Microsoft recorreu à diplomacia americana para barrar a adoção do ODF no Brasil.

06/09/2011

Entre 2007 e 2008 houve uma disputa, no Brasil, em torno de qual formato de documentos a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) iria adotar como norma para os documentos eletrônicos no país. De um lado da disputa estava o padrão ODF (Open Document Format), um formato aberto e público. Do outro, o padrão OXML, proposto pela Microsoft para garantir a compatibilidade com os formatos anteriores usados por seus programas, como o Word e o Excel.

A ABNT escolheu o ODF e a versão final da tradução da norma ISO/IEC 26300 foi aprovada em 2008. Esta aprovação era o último passo para a adoção do ODF como Norma Brasileira. Antes disso, porém houve uma enorme briga de bastidores na qual a Microsoft tentou fazer prevalecer seu padrão. Um dos 251 mil despachos das embaixadas americanas em todo o mundo, vazados pelo Wikileaks, mostra como o presidente da Microsoft, Michel Levy, recorreu ao embaixador americano no Brasil e argumentou em favor de sua posição, acusando o governo brasileiro de ser “anti-americano” e contrário à propriedade intelectual e os royalties.

Continue lendo »

Posted in Aplicativos, BrOffice, Conhecimento Livre, cultura hacker, Cultura Livre, Desenvolvimento colaborativo, Legislação, LibreOffice, Microsoft, OASIS, ODF, OpenOffice.org, Software, Software Livre, Wikileaks | Etiquetado: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Leave a Comment »

Eu sou pirata, e você?

Posted by Paulo em 24/08/2011


CPBR11 – (Software livre) Sim, Eu sou um pirata e você? #CPBR11

Esta palestra pretende levantar uma discussão sobre a ética e os direitos do cidadão. Pretende definir de forma bem clara, o que realmente é ou pode ser considerado crime, e o que é direito seu, e que corporações e associações visando unicamente seu beneficio próprio e manutenção de seus domínios, se utilizam da imprensa, de governos e de todo tipo de artifício, para subverter direitos dos cidadãos.

Palestrante:

Alberto José Azevedo — Cursou Tecnologia da Informação no CEFET-PR e possui mais de 14 anos de experiência em TI. É lider do projeto Security Experts Team e atua como Consultor de Segurança em todo o Brasil.

Posted in Aplicativos, Conhecimento Livre, cultura hacker, Cultura Livre, Desenvolvimento colaborativo, Filmes, História, Legislação, Microsoft, OASIS, ODF, Software, Software Livre | Etiquetado: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Leave a Comment »

Aloizio Mercadante: As razões do diálogo com os hackers.

Posted by Paulo em 22/08/2011

A capacidade criativa desses coletivos de desenvolvedores de tecnologia precisa ser incentivada, pois pode nos gerar inovações importantes

Aloizio Mercadante. Photo: Lindomar Cruz/ABr

Image via Wikipedia

À medida que o acesso à internet se torna realidade em todas as camadas sociais, milhões de novos usuários desfrutam de suas facilidades e de seu potencial transformador. Ao mesmo tempo, aumenta a dependência da sociedade em relação à rede. Atualmente, mais de um terço das operações financeiras são feitas de modo virtual, e serviços essenciais de energia, de trânsito e de comunicações dependem cada vez mais dela.

Esses setores podem sofrer ataques cibernéticos com consequências imprevisíveis, e também o Estado brasileiro precisa se precaver. Por isso, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação e o Ministério da Defesa estão trabalhando juntos para o desenvolvimento de tecnologias que permitirão prevenir, defender ou restabelecer serviços essenciais afetados por ataques dos chamados crackers.

Os crackers são criminosos, muitos dos quais nem mesmo sabem programar, sendo usuários avançados de softwares que não necessariamente desenvolveram.

Já os hackers são decifradores, desenvolvedores de softwares e hardwares que permitem adaptação ou construção de novas funcionalidades. Em geral, são jovens autodidatas e criadores de soluções inovadoras para a utilização de tecnologias da informação.

Continue lendo »

Posted in Conhecimento Livre, cultura hacker, Cultura Livre, Desenvolvimento colaborativo, ODF, Software, Software Livre | Etiquetado: , , , , , , , , , , , , , , , , , | Leave a Comment »

Lançada edição n.28 da Revista Espírito Livre

Posted by Paulo em 08/08/2011

Boa tarde gente,Seguimos em frente com o lançamento de mais uma edição da Revista Espírito Livre. A edição n. 28 apresenta mais um assunto bastante comentado nos últimos meses e que não podia faltar na Espírito Livre: LibreOffice.A edição n. 29, referente ao mês de Agosto já está sendo feita e vem com a temática sobre Redes e Servidores. A deadline já foi mas mesmo assim, se você ainda não mandou o seu artigo, material ou dica, envie-nos o quanto antes. A Revista Espírito Livre está sempre aberta a receber materiais inéditos e irão agregar ainda mais conhecimentos a nossos leitores.Novamente a edição está enorme. São 132 páginas e realmente não está fácil manter um número alto de páginas por edição, aí ficamos numa sinuca pois muita gente quer seus textos publicados e se o fizermos em breve teremos uma edição de 200 páginas…rs Loucura loucura.Peço que, aqueles que puderem e quiserem ajudar com a divulgação desta e de outras edições, sugiram para seus leitores que recorram a nosso site oficial para o download afim de manter os leitores sempre por dentro das novidades e também termos estatísticas o mais próximo da realidade. Peço ainda que aqueles que puderem votar na Revista Espírito Livre, que o façam. Este prêmio nos ajudará a manter o projeto, que a cada dia fica mais e mais complexo. Link para votação: http://premiofrida.org/por/projects/view/1418

Abaixo reproduzo trecho do nosso editorial dessa edição. A capa, novamente, é de autoria de Carlos Eduardo:

Revista Espírito Livre - Ed. #028 - Julho 2011

Posted in Aplicativos, BrOffice, Conhecimento Livre, cultura hacker, Cultura Livre, Debian Linux, Desenvolvimento colaborativo, Fedora, Firefox, Google Android, Google Chrome OS, História, Humor, iniciante em Linux, Instalação de programas no Linux, instalação do Ubuntu, LibreOffice, Linux Mint, Linuxacessível.org, Mandriva, ODF, OpenOffice.org, OpenSUSE, revista espírito livre, Revista Espírito Livre, Slackware, Software, Software Livre, Ubuntu Linux | Etiquetado: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Leave a Comment »

Lançada edição n.27 da Revista Espírito Livre

Posted by Paulo em 07/07/2011

Revista Espírito Livre - Ed. #027 - Junho 2011

Ainda recuperando do tombo do mês passado, cá estamos novamente. A edição deste mês apresenta um tema que por muitos é considerado polêmico por justamente ir contra a alguns conceitos enraizados em nossa sociedade, de que só é possível aprender diante de um professor e se transpormos essa ideia para o universo real significaria dizer que a educação, de um modo geral, só se dá através de alguém sentado, frente a um professor, real e físico. Mas o tutor a distância e o professor que estão a distância não são físicos e reais? E as aptidões? Eles as têm? E se não as têm como verificar estando a distância? Os alunos aprendem, ou fingem aprender só para alcançar a tão sonhada “nota”? Ele vai “colar”, já que o professor “não está vendo”? Como avaliar, medir e constatar se houve absorção e troca de conhecimento? As dúvidas e questionamentos continuam, já que a EAD, apesar de não ser tão nova assim (desde o século XIX já se praticavam metodologias neste sentido). O ensino por correspondência, tele-aula, vídeo-aula, manuais, ensino pelo rádio, e tantos outros métodos já foram utilizados (e em alguns lugares ainda continuam sendo), mas com a ressalva de que agora a tecnologia envolveu-os de novas possibilidades, além de diminuir os custos e as distâncias. O EAD proporciona, mesmo a distância, o que nem sempre conseguimos compreender presencialmente: a soma de nossas experiências pode resultar em uma terceira experiência, e o meio digital é propício para isso, dada a quantidade de novos recursos disponíveis, dentro e fora dos ambientes de estudo.

Continue lendo »

Posted in Aplicativos, BrOffice, Conhecimento Livre, cultura hacker, Cultura Livre, Debian Linux, Desenvolvimento colaborativo, Fedora, Filmes, Firefox, Google Android, Google Chrome OS, História, iniciante em Linux, Instalação de programas no Linux, Jolicloud, Legislação, LibreOffice, LibreOffice.org, Linux Mint, Linuxacessível.org, Mandriva, MeeGo, ODF, OpenSUSE, revista espírito livre, Revista Espírito Livre, Scientific Linux, Slackware, Software, Software Livre, Ubuntu Linux | Etiquetado: , , , , , , , , , , , , , , , , | Leave a Comment »

A coisa certa, feita do jeito errado e na hora errada!

Posted by Paulo em 03/07/2011

Artigo original disponível no blog do autor: http://lcoluiggi.wordpress.com/2011/07/03/%E2%80%9Ca-coisa-certa-feita-do-jeito-errado-e-na-hora-errada%E2%80%9D/

“A coisa certa, feita do jeito errado e na hora errada!”

03/07/2011 por lcoluiggi

New logo since Oracle acquisition, from versio...

Image via Wikipedia

A frase acima foi mencionada em um debate muito interessante e produtivo sobre o bifurcamento de parte da comunidade OpenOffice.org – OOo – com a consequente criação da The Document Foundation – TDF – que passou a produzir o LibreOffice, uma suíte de programas de escritório destinada tanto à utilização pessoal quanto profissional, compatível com as principais suítes de escritório do mercado, contendo editor de textos, planilha, editor de apresentações editor de desenhos e banco de dados, além de funcionalidades tais como: exportação nativa para PDF, editor de fórmulas científicas, extensões, etc. Volto em seguida à frase do título. Antes, uma breve explicação da situação que levou a criação da TDF.

Continue lendo »

Posted in Aplicativos, BrOffice, Conhecimento Livre, cultura hacker, Cultura Livre, Desenvolvimento colaborativo, LibreOffice, ODF, OpenOffice.org, Software, Software Livre | Etiquetado: , , , , , , , , , , , , , , , | Leave a Comment »

Revista BrOffice – Edição 21

Posted by Paulo em 28/06/2011

Revista BrOffice 21 – Linux Libre, Uma Questão de Liberdade

Disponível para download em http://www.broffice.org/revista

Demorou, mas saiu! A Revista BrOffice número 21 está disponível para download. Tivemos muitos problemas na comunidade, muitas mudanças bruscas de rumo que se refletiram na maneira como os textos deveriam sair. Alguns tiveram de ser refeitos do zero, alguns excluídos, mas finalmente, estamos com a edição saindo do forno hoje.
Essa edição traz algumas novidades. A primeira é que esta será a última edição sob o nome Revista BrOffice. A partir da próxima edição, a revista adotará a denominação de LibreOffice Magazine Brasil, com um novo projeto gráfico desenvolvido pelo nosso colega Hélio Ferreira. A segunda é a periodicidade, que retornará a ser bimestral. Fazer uma revista mensal demanda um grande trabalho e assumir um compromisso mensal com nossos leitores é uma responsabilidade muito grande. Para evitar problemas e honrar nosso compromisso, decidimos por essa medida de segurança.
A revista tem artigos interessantes: Um artigo de Fátima Conti comemorando os 20 anos do Linux. Cláudio Filho mostrando como a comunidade enfrentou o desafio de migrar do BrOffice para o LibreOffice. Wilkens Lenon fez uma reportagem completa sobre o Linux Libre, o Linux totalmente de acordo com as especificações da Free Software Foundation. Continuando a série sobre macros em Python, Julio César Melanda mostra como empacotá-las para distribuição. Bruno Gurgel nos dá uma aula sobre certificação digital. Também temos entrevistas com Paulo José e Florian Effenberger. Paulo José é designer no interior de Minas Gerais, e tem oferecido belas contribuições à Interface do Usuário (IU) e para a identidade visual do LibreOffice. Florian é membro fundador da TDF e membro do Comitê Gestor.
E temos uma grande novidade, que ainda não foi abordada: Nossa equipe teve o reconhecimento da TDF que utilizará nosso know-how como ponto de partida para a International LibreOffice Magazine, uma publicação em inglês, com moldes semelhantes ao da nossa revista brasileira, e que poderá tornar-se o embrião de diversas revistas regionais da comunidade LibreOffice.
Este é um momento especial e muito propício para iniciar sua participação na comunidade. Não seja tímido! Junte-se a nós nessa aventura. Mostre seus talentos e habilidades!, Contribua, faça amizades com pessoas do mundo todo. Colabore na maior comunidade internacional de software livre do planeta e desenvolva suas habilidades de trabalho em equipe, liderança, voluntariado, empreendedorismo e companheirismo. Por isso, essa edição também contém um roteiro de como você pode iniciar sua participação na comunidade e encontrar seu lugar.

Boa leitura! Participe: envie críticas e sugestões para revista(a)pt-br.libreoffice.org (é necessário cadastrar-se na lista para enviar e-mails. Saiba como em http://pt-br.libreoffice.org/suporte/listas-de-discussao/)

Posted in Aplicativos, BrOffice, Conhecimento Livre, cultura hacker, Cultura Livre, Desenvolvimento colaborativo, iniciante em Linux, Instalação de programas no Linux, LibreOffice, OASIS, ODF, OpenOffice.org, revista espírito livre, Software, Software Livre | Etiquetado: , , , , , , , , , , , , , | Leave a Comment »

11º dia: Avaliando o LibreOffice como alternativa ao Microsoft Office

Posted by Paulo em 20/06/2011

Artigo original em inglês disponível em http://blogs.computerworld.com/18466/day_11_weighing_libreoffice_as_a_microsoft_office_alternative

Tradução de Paulo de Souza Lima

11º dia: Avaliando o LibreOffice como alternativa ao Microsoft Office

Por Tony Bradley, PCWorld

Bem vindo de volta. Para o post de hoje da série “30 Dias com o Linux Ubuntu”, vou dar uma olhada no LibreOffice — o pacote de produtividade de código aberto que vem instalado por padrão no Linux Ubuntu. Eu examinei como ele funciona, comparado ao Microsoft Office, e com minha experiência no último mês “Usando o Google Docs por 30 Dias”.

Antes de começarmos, no entanto, há algumas coisas que eu gostaria de esclarecer. Primeiro — Eu passei mais ou menos uma década usando o Microsoft Office, e trinta dias usando o Google Docs. Meu exame do LibreOffice é só uma faceta da minha experiência mais ampla com o Linux Ubuntu, portanto, não terá o mesmo nível de detalhes. Ou seja, o fato de que eu esteja escrvendo sobre o LibreOffice hoje não implica em que eu tenha começado a utilizá-lo hoje, ou que hoje seja a soma total da minha experiência com o LibreOffice.

Continue lendo »

Posted in Aplicativos, BrOffice, Conhecimento Livre, cultura hacker, Cultura Livre, Desenvolvimento colaborativo, iniciante em Linux, Instalação de programas no Linux, instalação do Ubuntu, LibreOffice, ODF, OpenOffice.org, Software, Software Livre | Etiquetado: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | 1 Comment »

Lançada edição n. 26 da Revista Espírito Livre

Posted by Paulo em 08/06/2011

Crowdsourcing é uma nomenclatura recente para algo que todos conhecemos bem. A construção colaborativa através da rede já vem sendo feita a muito tempo. Vários projetos de código aberto foram produzidos e se tornaram o que são justamente por causa da construção coletiva de vários entes, vários nós, pontos interligados em uma grande teia. E o que antes era um passatempo nerd, se tornou o motor de muitos projetos.

Alguém aí já pensou em como seria as nossas vidas sem a construção coletiva, responsável por exemplo, pela criação, manutenção e crescimento da Wikipédia? E as mobilizações que hoje são feitas através das redes sociais com os mais diversos propósitos? Projetos são criados, mantidos, remunerados e atingem maturidade através de vários pares de mãos, dezenas de dedos, milhares de IPs, espalhados mundo a fora. Compartilhar e constribuir com o outro são valores que aprendemos desde criança. “Reparta o seu lanche com o seu coleguinha”, ou “divida o seu biscoito com seu amigo”; você certamente já ouviu estas frases proferidas por entes queridos, pessoas que se importavam com você. Uma pena que tais valores, com o passar do tempo foram sendo esquecidos. Em uma sociedade como a nossa, o inteligente não é quem compartilha, mas sim aquele que esconde. Convido-o a reflitir os novos valores da sociedade…

Onde erramos?! Erramos? Ou tudo não passa de uma evolução (ou regressão)? Devaneios que esta edição apresenta em diversos artigos, ora técnicos, hora reflexivos e que nos leva a pensar, tentar entender o que hoje vivemos. E para nos ajudar a entender um pouco mais sobre este tema conversamos com Carl Esposti, criador do site Crowsdsourcing.org. Esposti clarifica o termo, com exemplos reais e palpáveis. Outros colaboradores como Alexandre Oliva, João Carlos Caribé, Ana Brambilla, entre outros, igualmente tratam o tema, com rigor e foco. Além do tema em questão, contribuições diversas e que merecem destaque!

A partir desta edição a Revista Espírito Livre também incluirá uma seção exclusiva sobre LibreOffice, a suíte de escritório líder e que certamente você utiliza. Se ainda não a instalou, não perca tempo. Existem versões para GNU/Linux e outros sistemas operacionais disponíveis no mercado. Diversas distribuições GNU/Linux, como Ubuntu, Fedora, OpenSuSE, Linux Mint, Debian e tantas outras já trazem o LibreOffice ou em suas mídias de instalação ou repositórios, bem como várias empresas que também sinalizaram positivamente quanto a suas migrações para o LibreOffice, logo, nada mais natural acompanharmos tal ascensão.

Partimos rumo ao terceiro ano, com a ajuda de muitos colaboradores dedicados, parceiros que nos ajudam de alguma forma e dos leitores que sempre estão nos acompanhando. Um abraço a todos que ajudam a construir esta incrível publicação.

Clique aqui para anúncio oficial e download


João Fernando Costa Júnior
Coordenador GUBrO-ES – Grupo de Usuários de BrOffice.org do ES / Iniciativa Espírito Livre / Equipe Bestlinux
Linux User #422133
Ubuntu User #16167

Posted in Aplicativos, BrOffice, Conhecimento Livre, cultura hacker, Cultura Livre, Desenvolvimento colaborativo, Firefox, iniciante em Linux, Instalação de programas no Linux, instalação do Ubuntu, Kubuntu, Kurumin, Legislação, LibreOffice, Linux Acessível, Linux Mint, Livros e Treinamentos, Mandriva, ODF, Política, Puppy Linux, Red Hat, revista espírito livre, Revista Espírito Livre, Satux, Slackware, Software, Software Livre, Ubuntu Linux | Etiquetado: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Leave a Comment »

Software livre não nasce em árvores – Do colonialismo ao extrativismo digital

Posted by Paulo em 06/06/2011

Artigo original disponível em http://www.trezentos.blog.br/?p=5907

Se você deseja comentar o texto, por favor, faça isso no blog original, no endereço acima, onde a discussão está se desenvolvendo.

Software livre não nasce em árvores: Do colonialismo ao extrativismo digital

Sei que muita gente que conheço e admiro vai ficar irritada com este artigo, mas acredito que já atingimos um nível de maturidade suficiente na comunidade de software livre brasileira para que possamos encarar de frente nossos próprios fantasmas. Sei também que o artigo é longo, mas acho que vale a pena a leitura. Cedo ou tarde vamos precisar fazer a reflexão aqui proposta.

Optei por escrever este artigo junto com um grupo de amigos experientes dentro da comunidade para evitar que ele seja classificado como sendo a opinião de uma única pessoa. Todos os amigos convidados já estão há bastante tempo na comunidade de software livre e todos eles já sentiram na pele os efeitos dos problemas aqui relatados. Optei por não listar seus nomes neste artigo, para que eles mesmo possam fazê-lo nos comentários.

Depois de tantos anos militando e trabalhando com software livre, fico impressionado em ver como as pessoas comumente usam o termo “a comunidade” como se ela fosse uma empresa ou coisa parecida. Muitas vezes vejo as pessoas falando da comunidade como se não fossem parte dela, como se não tivessem nenhuma obrigação em relação à manutenção dos projetos desenvolvidos de forma comunitária. Muita gente entende que ser usuário de redes sociais organizadas em torno de projetos de software livre seja o mesmo que ser membro de fato da comunidade do projeto em questão, além de acreditar piamente que todos naquela comunidade estão mesmo interessados em trollagens e críticas despropositadas.

Fazendo uma breve revisão do que aconteceu nos últimos anos na área de tecnologia no Brasil, vemos que nossa indústria de informática foi praticamente destruída no início dos anos 90, e passamos quase duas décadas sendo meros consumidores de tecnologia da informação, do hardware ao software. É a isso que chamo de colonialismo digital, pois tal como na época do Brasil colônia, acabamos consumindo tudo aquilo que os colonizadores nos empurravam. Vale lembrar aqui, que durante o início do século XIX, o Brasil chegou a “importar” um navio de patins para patinação no gelo da Inglaterra, uma vez que estes produtos estavam entupindo os estoques ingleses e precisavam ser desovados em algum lugar. Os historiadores contam que nesta época, as lâminas dos patins acabaram sendo utilizadas como facas e facões e assim fomos levando a vida: dando o jeitinho brasileiro para cumprir com nosso papel de colônia.

Durante quase vinte anos, fizemos a mesma coisa com produtos de tecnologia da informação e me lembro de ter presenciado algumas aberrações nesta época. De computadores que não suportavam o calor tropical brasileiro a softwares que invertiam completamente nossa lógica organizacional, vivemos décadas “dando um jeitinho” para as coisas funcionarem e não foram raros os casos em que tivemos que nos re-organizar para que pudéssemos utilizar as tecnologias “ofertadas”. Quem aí nunca encontrou um banco de dados armazenado dentro de uma planilha com milhares de linhas ou não viu uma reengenharia quase irracional acontecer na marra por conta do ERP da moda que atire a primeira pedra.

Tamanha foi nossa aceitação do papel de colonizados, que no final da década de 90 não era raro encontrar universidades que ao invés de lecionar “Sistemas Operacionais”, lecionavam “Windows NT”, ou trocavam “Banco de Dados Relacionais” por “Oracle” ou “DB2” e por aí seguia a carruagem. Fui aluno em uma dessas (que aliás é uma universidade de renome e destaque em São Paulo). Me lembro que fui voto vencido quando fui debater este assunto com a coordenação do curso, pois para eles importava ensinar “o que o mercado cobrava”. Pior do que ser voto vencido entre os coordenadores e mestres do curso, foi ter sido voto vencido entre meus colegas de turma, pois a imensa maioria deles estava tão acostumada com o fato de ter tudo mastigado nas mãos, que não se importava em não dominar de fato a tecnologia ou entender o que acontecia debaixo do capô. Estavam mais preocupados em “colocar no curriculum” o que aprenderam na faculdade. Amém !

Foi assim que formamos no Brasil centenas de milhares de profissionais de TI que não passavam de usuários avançados de ferramentas de software desenvolvidas fora do Brasil. Hoje, uma parte considerável destes profissionais são gestores de TI em diversas empresas públicas e privadas, e isso explica o principal motivo da resistência que encontramos no nosso dia a dia ao Software Livre dentro das organizações: a zona de conforto é grande e a inércia gerada por ela é muito difícil de ser quebrada.

É evidente que este modelo interessa às grandes empresas multinacionais de software, e confesso que hoje chego a achar graça das explicações dadas a eles sobre “o modelo”. Sempre que questionadas publicamente sobre este tema, vemos as empresas se defendendo com o argumento de que geram milhares de empregos diretos e indiretos no Brasil, e que fazem “transferência de tecnologia” à indústria local, principalmente através de seus parceiros e de projetos junto à universidades.

O que vemos na prática é que a imensa maioria dos empregos diretos criados por estas empresas estão focados na área comercial e nas metas de curto prazo, e que os empregos “técnicos” costumam se concentrar em seus parceiros e solution providers, que evidentemente não têm acesso às informações detalhadas, e muito menos ao código fonte, dos produtos que “suportam” no mercado. A segurança e confiança por obscuridade é o que impera nesta seara.

Quando olhamos o trabalho feito por elas junto às universidades, vemos novamente que o foco é sim formar cada vez mais usuários avançados de seus produtos, e conseguir com isso firmar a dependência tecnológica desde na base da cadeia alimentar na indústria de TI. É muito fácil comprovar isso quando vemos “versões educacionais” dos softwares comercializados por estas empresas serem distribuídos com água dentro das universidades. Encerrou o curso e tem um software completo desenvolvido: ótimo… vamos lhe enviar a fatura em 3, 2, 1…

É importante lembrar que este modus operandi não é exclusividade de uma única empresa, mas é de fato a prática de mercado de todas as multinacionais de TI (das mais fechadas e perseguidas por todos até a “mais aberta” e idolatrada pela maioria).

Foi num cenário de total colonização tecnológica como o ilustrado acima que o Software Livre cresceu no Brasil, principalmente durante os últimos 10 anos. Eu atribuo este crescimento à vontade gigantesca de conhecer tecnologia de verdade que alguns profissionais de TI no Brasil tinham, mas conforme o movimento foi crescendo, tenho a impressão de que estes profissionais cada vez mais são raros de se encontrar e o que vemos de fato hoje, é a busca pela substituição pura e simples de um software proprietário por um equivalente livre (e não quero entrar aqui na discussão filosófica por trás disso).

Considero que seja fundamental termos no Brasil uma comunidade tão militante e ativa na publicidade e no suporte às soluções de software livre, mas infelizmente isso não é suficiente, pois deixamos de ser colonizados digitais e somos hoje extrativistas digitais.

Não exagero em dizer que hoje o Brasil tem em números absolutos a maior comunidade de usuários de Software Livre do mundo, e olha que a TI ainda não chegou a tantos lares assim no Brasil, portanto temos ainda muito a crescer. O que me deixa muito chateado é constatar que ao mesmo tempo, temos uma comunidade de desenvolvedores de software livre quase inexistente (eu mesmo conto nos dedos das mãos os desenvolvedores de “código fonte” em projetos de software livre que conheço). A dita “comunidade” é a primeira a se manifestar e apontar defeitos nos muitos projetos que “participam”, mas na hora de enviar contribuições realmente significativas quase ninguém aparece.

É por isso que afirmo que vivemos hoje o extrativismo digital: encontramos uma fonte aparentemente inesgotável de recursos e estamos usando e abusando dela, sem nos preocupar com a sua manutenção. Isso pode até nos dar uma sensação de liberdade e controle do próprio nariz bem confortável, mas não nos levará a lugar algum e pior do que isso, quando a fonte se esgotar (e sim, ela pode se esgotar um dia), voltaremos à nossa vidinha de colonizados, e seremos novamente saudosistas de uma “era de ouro”, tal como nossos amigos mais velhos hoje se lembram da reserva de mercado.

O que quero com este artigo é forçar uma reflexão dentro da nossa comunidade, pois é evidente que software livre não nasce em árvores, e existem pessoas trabalhando muito escrevendo código fonte por trás dos softwares livres que utilizamos no dia a dia.

Devo reconhecer porém, que somos muito ágeis e experientes em traduzir estes softwares para nosso idioma, mas todos devem concordar comigo que isso é o mínimo do mínimo que podemos fazer. Lembre-se de que teremos alcançado o sucesso pleno quando a tradução for problema dos outros !

Não consigo me contentar com isso e por isso peço a todos que façam uma séria reflexão: Quando foi a última vez que você contribuiu de verdade com um projeto de Software Livre ?

Rodando o mundo palestrando em eventos de software livre, esta é a diferença primordial que vejo entre outros países e o Brasil. Na maioria dos países, a meritocracia funciona de verdade e o reconhecimento vem na base de muito, mas muito código fonte contribuído para os projetos. Como já contei a diversos amigos, em muitos países fora do Brasil, para que você possa “tomar uma cerveja” com os líderes dos projetos de software livre, você provavelmente já trabalhou bastante construindo e depurando código com eles.

Acho que é parte da cultura latina ser expansivo, mas não podemos deixar que nossa ânsia por fazer amigos acabe os deixando desviar tanto assim do nosso objetivo comum: Desenvolver de fato softwares livres que supram as necessidades de nosso mercado, que nos permitam dominar a tecnologia e que paguem nossas contas no final do mês.

Quando analisamos a cadeia de valor na indústria de software livre no Brasil hoje, vemos que diversos nós da cadeia são remunerados, mas que ainda não encontramos uma forma concreta de remunerar de verdade o principal nó: O desenvolvedor.

É muito fácil cair no discurso de que “quem implementa, treina e suporta também desenvolve”, mas na prática vemos o oposto disso.

O que me consola é que este problema não é exclusividade nossa, e nos últimos meses tenho visto diversos projetos de software livre desenvolvidos internacionalmente passar por sérias dificuldades por conta do mesmo problema.

Voltando ao Brasil, conheço ao menos um software livre desenvolvido aqui no Brasil e que é utilizado no país todo, além de ser suportado por centenas de empresas, mas que tem como desenvolvedores ativos apenas duas pessoas, sendo que uma delas (e talvez o desenvolvedor chave), não seja de forma alguma remunerado. Não vou dizer o nome do software aqui para não ser deselegante com as pessoas envolvidas em seu ecossistema, mas garanto que pela descrição acima você já deve ter identificado alguns softwares como potenciais candidatos.

Em uma recente discussão que tive com um dos pioneiros do Open Source mundial, ele me dizia que o modelo de subscrição nunca foi de fato compreendido pelo mercado, e concordo com ele que este modelo é o mínimo que podemos ter para garantir a manutenção dos projetos e de seus desenvolvedores. É mesmo uma pena ver que muita gente afirmar sem vergonha alguma que “subscrição é licença disfarçada”, e aqui incluo inúmeros colegas do movimento do software livre. Sinto lhes informar que não, não é, mas concordo que é muito fácil pensar assim quando seu contracheque chega no final de todo mês.

Indo mais a fundo no problema, fico extremamente chateado em ver a falta de consciência de inúmeros gestores de empresas públicas e privadas que economizam centenas de milhões de reais por ano em licenças de software, mas que não investem sequer um centavo no desenvolvimento e manutenção de projetos de software livre que utilizam no seu dia a dia.

Um exemplo gritante do que afirmo acima é o Libre Office (antigo OpenOffice ou BrOffice no Brasil), que possui atualmente centenas de milhares de cópias sendo utilizadas no país todo, economizando rios de dinheiro, e que têm no Brasil uma comunidade de “desenvolvedores de verdade” quase irrisória. O que me deixa muito mais chateado com isso, é que estes poucos heróis nacionais quase sempre levam uma vida de privações em prol da coletividade e tudo o que recebem de volta são tapinhas nas costas e nos últimos tempos ainda tem que aceitar calados, críticas injustas vindas de todas as partes. Não vou nem comentar aqui sobre a vida que levam os que decidem trabalhar com o desenvolvimento de padrões, mas posso afirmar que invejamos a vida dos desenvolvedores de software livre no Brasil.

Não quero que este seja um artigo de lamentações, e por isso eu gostaria de deixar algumas sugestões para que possamos de fato aproveitar esta oportunidade que temos nas mãos e mudar de uma vez por toda a história da TI no nosso Brasil. Muitas das sugestões vão parecer óbvias e genéricas, mas acredite, nunca foram de fato implementadas:

Empresas que utilizam softwares livres deveriam ter desenvolvedores trabalhando no desenvolvimento destas soluções ou se não puderem ter estes desenvolvedores, que exijam que as empresas que lhes prestam serviços de suporte e treinamento em software livre tenham desenvolvedores ativos nos projetos, e que comprovem suas contribuições periodicamente. Esta prestação de contas aliás deveria ser pública.
Universidades poderiam deixar de usar exemplos genéricos e trabalhos “inventados pelos professores” nas disciplinas de desenvolvimento de software e ter como meta a cada semestre otimizar um trecho de código fonte existente ou implementar uma melhoria ou nova funcionalidade em um software livre existente. O mesmo vale para outras disciplinas como marketing e design. Uma simples mudança da atitude como esta daria aos envolvidos uma experiência prática no mundo real com projetos concretos, ao mesmo tempo que lhes permitiria alcançar os mesmos objetivos didáticos (já imaginou onde chegaríamos com isso ?).
Já temos diversas leis, decretos e instruções normativas no Brasil recomendando ou determinando a utilização de Software Livre e de Padrões Abertos em diversas esferas governamentais, mas infelizmente os órgãos de controle e fiscalização parecem desconhecê-las. Não consigo avaliar quem é o culpado por isso, mas sei que nós como sociedade temos o dever de cobrá-los, e talvez esteja aí a grande missão de todos os membros da comunidade que não podem contribuir de forma técnica com os projetos de software livre.
Muita gente não tem conhecimento técnico para escrever código fonte e contribuir com os projetos, mas lembre-se que um software livre de sucesso não vive só de código fonte e por isso mesmo sempre existe algo não relacionado a código fonte que precisa ser feito. Se envolva de verdade com a comunidade de desenvolvedores dos softwares que você usa e por favor, contribua de forma concreta com seu desenvolvimento. Ajudar de verdade é atender a necessidade do outro e não a sua própria necessidade. A diferença entre o voluntariado e o voluntarismo é gigantesca, mas muito difícil de ser compreendida.
Não acredito em contos de fadas e também não acredito que um dia uma empresa estrangeira vai decidir do dia para a noite que o Brasil é a bola da vez para concentrar aqui o seu desenvolvimento de software. Temos que conquistar isso, temos que fazê-lo do nosso jeito e temos sim potencial para reconstruir de verdade nossa indústria nacional de software e Tecnologia da Informação. O que não podemos fazer é ficar aqui sentados esperando o milagre acontecer, imaginando que estamos no caminho certo. Pequenas correções de rota podem sim nos levar a algum lugar completamente diferente e melhor do que o nosso destino atual.

Caso você ou sua empresa queira contribuir com um projeto de software livre e não saiba como, me coloco à disposição para ajudar e orientar.

Peço que reflitam sobre o seu papel na solução do problema aqui apresentado. Temos um elefante na sala e só não ver quem não quer.

Aguardo ansiosamente os comentários e espero que possamos abrir este debate tão necessário nos dias de hoje.

Posted in Aplicativos, Conhecimento Livre, cultura hacker, Cultura Livre, Desenvolvimento colaborativo, Legislação, OASIS, ODF, Software, Software Livre | Etiquetado: , , , , , , , , , , , , , , | 3 Comments »

Lançamento CoGrOO Comunidade 1.2

Posted by Paulo em 12/04/2011

Experimente o corretor gramatical, interaja com outros usuários e desenvolvedores através do CoGrOO Comunidade.

dom, 04/10/2011 – 01:09 — william colen — artigo original disponível em http://ccsl.ime.usp.br/cogroo/pt-br/node/38

É com muita satisfação que anunciamos o lançamento da nova versão do CoGrOO Comunidade, o portal colaborativo para aprimorar o CoGrOO!

O principal responsável pelo sucesso do projeto é a comunidade de usuários, pois, em cinco meses de existência, já superamos 90 membros cadastrados e mais de 200 amostras de textos enviadas. Esses textos são muito importantes para a melhoria do corretor gramatical.

Entre as novidades dessa versão, temos:

  • Uma interface mais fácil de usar, voltada à usabilidade
  • A possibilidade de mudança da senha
  • Um novo favicon
  • O envio de notificações de mudanças por e-mail
  • Feed RSS e um novo Twitter (@CoGrCom) para acompanhar o envio de textos e comentários
  • Um sistema de permissões de usuários, para que linguistas, desenvolvedores e demais usuários possam exercer suas habilidades plenamente

Diversas outras melhorias foram divulgadas nas redes sociais:

O CoGrOO Comunidade é um projeto de software livre, cujo desenvolvimento é conduzido por voluntários com o apoio do Centro de Competência em Software Livre (CCSL) do IME/USP e da comunidade brasileira do LibreOffice.

Para essa versão, ainda, não podemos deixar de agradecer:

  • à Ana Paula Oliveira dos Santos, pela avaliação heurística de usabilidade, que nos conduziu aos diversos aprimoramentos que foram então desenvolvidos pelo Michel Oleynik;
  • à Thisby Alarcón Khury, pelo desenho do novo ícone do site (favicon);
  • ao CCSL, pelo apoio e infraestrutura, especialmente ao Beraldo Leal pela configuração do servidor; e
  • aos familiares, amigos e namoradas dos desenvolvedores, pela compreensão e paciência pelas muitas horas “livres” que eles dedicam a projetos de software livre.

 

O portal é acessível através do endereço: http://ccsl.ime.usp.br/cogroo/comunidade.

Equipe de desenvolvimento do CoGrOO Comunidade
Michel OleynikWesley SeidelWilliam Colen

 

Posted in Aplicativos, BrOffice, Conhecimento Livre, cultura hacker, Cultura Livre, Desenvolvimento colaborativo, iniciante em Linux, Instalação de programas no Linux, LibreOffice, ODF, OpenOffice.org, Software, Software Livre | Etiquetado: , , , , , , , , , , | Leave a Comment »

Entrevista do Mês – Zé Dirceu – Um Espaço para a Discussão do Brasil

Posted by Paulo em 03/04/2011

via Entrevista do Mês – Zé Dirceu – Um Espaço para a Discussão do Brasil.

Internet não se guia por critérios de mercado

A defesa de uma Internet livre e combativa é um dos principais pontos da entrevista de Sérgio Amadeu da Silveira, um dos grandes nomes na luta nacional pela inclusão digital e software livre no país, e para quem “Internet é um direito humano à comunicação”.

Amadeu expõe temas na ordem do dia do universo digital como o Programa Nacional de Banda Larga (PNBL), a pressão do mercado e das operadoras de Telecom e a lei de copyright – esta última, o estopim que colocou o Ministério da Cultura (MinC) recentemente no centro de grandes polêmicas.

Leia a entrevista em

http://www.zedirceu.com.br/index.php?option=com_content&task=blogcategory&id=2&Itemid=3

Posted in Conhecimento Livre, cultura hacker, Cultura Livre, Desenvolvimento colaborativo, Legislação, ODF, Política, Software, Software Livre, Wikileaks | Etiquetado: , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Leave a Comment »

Lançada edição #24 da Revista Espírito Livre

Posted by Paulo em 02/04/2011

Com algumas horas de atraso, mas garantindo a liderança, aí está edição n. 24 da Revista Espírito Livre. São 99 páginas de muita informação, graças aos senhores e aos tantos que de alguma forma contribuem. Meu muito obrigado.

Abaixo reproduzo trecho do editorial.

Aqueles que quiserem (e puderem) publicar o anúncio do lançamento em seus blogs e sites/planetas/listas, queiram por gentileza solicitar que o leitor se dirija ao site oficial da revista ou ainda através deste link curto, pra facilitar:

Lançada edição n. 24 da Revista Espírito Livre: http://va.mu/BTQ

Continue lendo »

Posted in BrOffice, Conhecimento Livre, cultura hacker, Cultura Livre, Debian Linux, Desenvolvimento colaborativo, Fedora, Firefox, Go-OO, Google Android, Google Chrome OS, História, iniciante em Linux, Instalação de programas no Linux, Intel Moblin, Jolicloud, Legislação, LibreOffice, Linux Mint, Linuxacessível.org, Mandriva, MeeGo, ODF, OpenSUSE, revista espírito livre, Revista Espírito Livre, Scientific Linux, Slackware, Software, Software Livre, Ubuntu Linux | Etiquetado: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Leave a Comment »

Lançada a Revista BrOffice Edição 20

Posted by Paulo em 18/03/2011

Depois de um mês e meio de tanto sacrifício, luta, noites sem dormir, conflitos pessoais, porque acabamos assumindo, momentaneamente, responsabilidades muito além das nossas possibilidades por uma causa maior que acabam por afetar nossas famílias, nossas relações e nossa saúde, é com orgulho que informamos o lançamento da Edição 20 da Revista BrOffice.

Essa edição é histórica e marca a redenção e a completa renovação da Comunidade BrOffice.

Faça o Download: http://wiki.documentfoundation.org/PT-BR/Revista#Download_da_Revista

Link direto: http://wiki.documentfoundation.org/cgi_img_auth.php/6/66/Revista_BrOffice_Edicao20.pdf

Leia OnLine: http://www.youblisher.com/p/107168-Revista-BrOffice-Edicao-20/

Posted in Aplicativos, BrOffice, Conhecimento Livre, cultura hacker, Cultura Livre, Desenvolvimento colaborativo, iniciante em Linux, Instalação de programas no Linux, Legislação, LibreOffice, OASIS, ODF, Software, Software Livre | Etiquetado: , , , , | Leave a Comment »

Comissão aprova prioridade para software livre na administração pública

Posted by Paulo em 12/03/2011

Artigo original disponível em: http://acordocoletivo.org/2011/03/11/comissao-aprova-prioridade-para-software-livre-na-administracao-publica/

Comissão aprova prioridade para software livre na administração pública

A intenção do projeto é economizar no pagamento de licenças de programas de computador. Segundo Erundina, o governo gasta cerca de 2 bilhões de dólares por ano com essas licenças.
Arquivo – J. Batista
Luiza Erundina: um dos objetivos é diminuir o gasto público com programas de computador.

A Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática aprovou hoje proposta que garante preferência para softwares livres na contratação de bens e serviços de informática pela União, pelos estados, pelo Distrito Federal e pelos municípios. A medida consta de substitutivo da deputada Luiza Erundina (PSB-SP) ao Projeto de Lei 2269/99, do deputado Walter Pinheiro (PT-BA), e outros seis apensados
Tramitação em conjunto. Quando uma proposta apresentada é semelhante a outra que já está tramitando, a Mesa da Câmara determina que a mais recente seja apensada à mais antiga. Se um dos projetos já tiver sido aprovado pelo Senado, este encabeça a lista, tendo prioridade. O relator dá um parecer único, mas precisa se pronunciar sobre todos. Quando aprova mais de um projeto apensado, o relator faz um texto substitutivo ao projeto original. O relator pode também recomendar a aprovação de um projeto apensado e a rejeição dos demais..

Pelo texto, software livre é aquele que garante a qualquer usuário, sem custos adicionais: a execução do programa para qualquer fim; a redistribuição de cópias; o estudo de seu funcionamento, permitindo a sua adaptação às necessidades do usuário, seu melhoramento e a publicação dessas melhorias; e o acesso ao código fonte.

Para a relatora, a adoção de software livre possui três objetivos: aumentar a competitividade da indústria nacional de software, oferecer condições de capacitação para trabalhadores do setor e diminuir o gasto público com o licenciamento de programas de computador. “Estima-se que o Estado, em todos os seus níveis, gaste cerca de 2 bilhões de dólares por ano com pagamento de aluguel de licenças de programas-proprietários”, afirma Erundina.

Continue lendo »

Posted in Apendendo Linux, Aplicativos, BrOffice, Conhecimento Livre, cultura hacker, Cultura Livre, Debian Linux, Desenvolvimento colaborativo, Fedora, Firefox, iniciante em Linux, Instalação de programas no Linux, Legislação, LibreOffice, Linux Mint, Linuxacessível.org, Mandriva, Mozilla Firefox, OASIS, ODF, OpenOffice.org, OpenSUSE, Política, Revista BrOffice.org, revista espírito livre, Revista Espírito Livre, Scientific Linux, Slackware, Slackware, Software, Software Livre, Ubuntu - Guia do Iniciante, Ubuntu Linux, Unicamp Rau-tu | Etiquetado: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | 2 Comments »

A Revolução não será Licenciada

Posted by Paulo em 08/03/2011

Artigo original em inglês disponível em http://torrentfreak.com/the-revolution-will-not-be-properly-licensed-110304/?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed:+Torrentfreak+(Torrentfreak)

The Pirate Bay logo

Image via Wikipedia

Está em todo lugar. Grandes empresas tentando obter o controle de nossas ferramentas de comunicação, alegando preocupações com com direitos autorais. Com frequência, elas têm a ajuda de políticos pouco amigáveis, que aspiram pelo mesmo tipo de controle, alegando preocupações com o terrorismo ou alguma outra palavra MaCarthista da moda, que evoque o medo. Deveríamos observar isso pela perspectiva das revoltas que ocorrem, neste momento, no mundo árabe.

Temos, hoje, a SonyBMG obtendo controle a nível de administrador de milhões de computadores de seus clientes para evitar a simples cópia de música. Autoridades européias obrigando facilidades de escuta telefônica em todos os equipamentos de telecomunicações. Fabricantes de veículos instalando chaves de destruição remota. A Microsoft incorporando o mesmo tipo de chaves de destruição em seus softwares, assim como a Apple e a Google fazendo o mesmo em nossos telefones. A Intel incorporando as mesmas chaves de destruição nos processadores. A Amazon apagando livros de nossas bibliotecas virtuais.

Continue lendo »

Posted in Aplicativos, Apple, BrOffice, Conhecimento Livre, cultura hacker, Cultura Livre, Debian Linux, Desenvolvimento colaborativo, Fedora, Firefox, Go-OO, Google Android, Google Chrome OS, Hardware, História, iniciante em Linux, Intel Moblin, Jolicloud, Legislação, LibreOffice, Linux Mint, Linuxacessível.org, Mandriva, MeeGo, Microsoft, Modem 3G, Mozilla Firefox, Netbooks, OASIS, ODF, OpenSUSE, pasl.net.br, Revista BrOffice.org, revista espírito livre, Revista Espírito Livre, Scientific Linux, Slackware, Slackware, Smartphones, Software, Software Livre, Tablet PC, Ubuntu Linux, Uncategorized, Wikileaks | Etiquetado: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | 1 Comment »

Lançada edição n. 23 da Revista Espírito Livre!

Posted by Paulo em 01/03/2011

Quase que não consigo, mas aí está a Revista Espírito Livre – Ed. #023 – de Fevereiro de 2011.

Aqueles que quiserem contribuir divulgando em seus blogs recomendo o solicitarem aos internautas que visitem o site oficial da revista para efetuar o download. De qualquer forma também tem um link curto: http://va.mu/AOY

Revista Espírito Livre - Ed. #023 - Fevereiro 2011

Faça o download

Revista Espírito Livre - Ed. n #023 - Fevereiro 2011

Continue lendo »

Posted in Aplicativos, BrOffice, Conhecimento Livre, cultura hacker, Cultura Livre, Debian Linux, Desenvolvimento colaborativo, Fedora, Google Android, História, iniciante em Linux, Intel Moblin, Jolicloud, Legislação, LibreOffice, Linux Mint, Linuxacessível.org, Livros e Treinamentos, Mandriva, MeeGo, ODF, OpenSUSE, revista espírito livre, Revista Espírito Livre, Scientific Linux, Slackware, Software, Software Livre, Ubuntu Linux | Etiquetado: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Leave a Comment »

Sobre os acontecimentos na Associação BrOffice.org

Posted by Paulo em 25/02/2011

Leia a declaração de Cláudio Ferreira Filho, esclarecendo à Comunidade

Sobre os acontecimentos na Associação BrOffice.org.

Posted in Aplicativos, BrOffice, Conhecimento Livre, cultura hacker, Cultura Livre, Desenvolvimento colaborativo, iniciante em Linux, Instalação de programas no Linux, instalação do Ubuntu, Legislação, LibreOffice, ODF, Revista BrOffice.org, Software, Software Livre | Etiquetado: , , , , , , , , , , , , | Leave a Comment »

Contribua com a Comunidade BrOffice

Posted by Paulo em 21/02/2011

Saiba quais os projetos desenvolvidos pela Comunidade BrOffice e como encontra a sua forma de contribuir. Saiba mais em Encontre seu lugar na comunidade.

Posted in BrOffice, Conhecimento Livre, cultura hacker, Cultura Livre, Desenvolvimento colaborativo, Go-OO, iniciante em Linux, Instalação de programas no Linux, instalação do Ubuntu, LibreOffice, ODF, OpenOffice.org, Revista BrOffice.org, revista espírito livre, Revista Espírito Livre, Software, Software Livre | Etiquetado: , , , , , , , , , , , , , , | Leave a Comment »

Carta da Comunidade BrOffice ao Movimento de Software Livre e Iniciativas Open Source

Posted by Paulo em 20/02/2011

A Comunidade BrOffice publica um abaixo assinado de repúdio às ações arbitrárias do Conselho Administrativo da ONG BrOffice e de apoio a Cláudio F. Filho. A Comunidade convida a todos os amantes do Software Livre e, aos que, de alguma forma estejam envolvidos com iniciativas Open Source, que assinem o documento.

O texto do documento está disponível em http://www.peticaopublica.com.br/PeticaoVer.aspx?pi=BrOffice, e também, transcrito abaixo:

Continue lendo »

Posted in Aplicativos, BrOffice, Conhecimento Livre, cultura hacker, Cultura Livre, Desenvolvimento colaborativo, iniciante em Linux, Instalação de programas no Linux, instalação do Ubuntu, Legislação, LibreOffice, OASIS, ODF, OpenOffice.org, Política, Revista BrOffice.org, revista espírito livre, Revista Espírito Livre, Software, Software Livre | Leave a Comment »

Comunidade brasileira do Libreoffice lança blog independente

Posted by Paulo em 17/02/2011

Devido aos vários desentendimentos entre a comunidade BrOffice e a ONG BrOffice, e também, por causa das disputas internas da ONG, a comunidade decidiu criar um blog independente, desvinculado da ONG e de qualquer outra instituição.

O blog é aberto e a participação é opcional para qualquer integrante da comunidade BrOffice. Os atuais integrantes da comunidade podem, assim, ser contados e identificados para fins de mérito. cada participante cadastrado também pode deixar suas opiniões e impressões no blog, de forma que o espaço seja moderado apenas pela comunidade que o mantém.

Visite já: http://librecommunity.wordpress.com/

Posted in Aplicativos, BrOffice, Conhecimento Livre, cultura hacker, Cultura Livre, Desenvolvimento colaborativo, LibreOffice, OASIS, ODF, OpenOffice.org, Revista BrOffice.org, Software, Software Livre | Etiquetado: , , , , , , , , , , , , | Leave a Comment »

Lançada a Revista BrOffice 19

Posted by Paulo em 31/01/2011

Por Luiz Oliveira

Olá, 

Revista BrOffice #19Para brindar o ano novo a Revista está com novo visual, com nova seção e um recurso novo para aumentar a opção de leitura. Agora o leitor pode optar por ler a revista direto do navegador folheando tranquilamente a Revista sem precisar baixar o arquivo completo.

Nessa edição, muito influenciada pelo lançamento da nova versão estável do LibreOffice, pela The Document Foundation, TDF,  o destaque foi a palestra ministrada por Eliane Domingos na Campus Party 2011, falando sobre essas mudanças e o reflexo disso para a comunidade BrOffice. Na segunda entrevista com desenvolvedores do LibreOffice, o perfil e curiosidades de Joseph Powers, cuja contribuição principal foi deixar o LibreOffice mais bonito. Em outra entrevista, Daciano Pozzer conta-nos sobre a opção do BrOffice como parte da reestruturação na área de TI da empresa Rotoplastyc. O assunto Inclusão Digital volta a baila no texto de Natan Reis Santos, responsável pelo Centro Digital de Ouriçangas, no estado da Bahia. Em Novas Tecnologias, um relatório com as novas funcionalidades do BrOffice. E para começar o ano com mais novidades inauguramos uma nova seção – Espaço Aberto, que traz um texto interessante sobre o PostgreeSQL.E, ainda, dicas do BrOffice, um novo episódio do Redblade, e muito mais.

 

Boa leitura! Participe: envie críticas e sugestões para contato(a)revistabroffice.org.

Baixe a edição completa:

Arquivo em *.pdf

Leitura on line

 

Posted in BrOffice, Conhecimento Livre, cultura hacker, Cultura Livre, Desenvolvimento colaborativo, LibreOffice, OASIS, ODF, Revista BrOffice.org, Software, Software Livre | Leave a Comment »

Carta Aberta ao TRT/RJ

Posted by Paulo em 25/01/2011

A semana começou com uma notícia que beira o absurdo: O Tribunal Regional do Trabalho do Rio de Janeiro anunciou que gastará 4 milhões de reais do meu, do seu, do nosso dinheiro, para comprar licenças do Microsoft Office 2010, e substituir as cópias gratuitas do BrOffice instaladas nos computadores da organização. A alegação é que o BrOffice tem “problemas de compatibilidade” e a compra dos pacotes da Microsoft “melhoraria a produtividade”.

Sobre esse assunto, Jomar Silva, Diretor Executivo da ODF Alliance no Brasil, um consórcio internacional formado por representantes de governos, bem como das maiores empresas do mundo inteiro, escreveu o artigo que transcrevo abaixo. O original está em http://www.trezentos.blog.br/?p=5484

Carta aberta ao TRT/RJ sobre a troca de suíte de escritório

Foi com perplexidade e tristeza que li hoje a notícia de que o TRT/RJ está trocando a suíte de escritório em software livre BrOffice pelo software proprietário MSOffice, alegando “…limitações, principalmente em relação ao intercâmbio de informações e arquivos com órgãos do Poder Judiciário e instituições públicas…” e ainda que “ …O MS Office é um padrão mundial…”.

Não vou comentar aqui sobre a decisão de não utilizar um Software Livre, desrespeitando a atual política definida pelo Governo Federal de utilização prioritária de Software Livre, mas faço questão de registrar meu questionamento sobre a alegada “falta de compatibilidade” dos arquivos gerados pelo BrOffice.

Gostaria de iniciar esclarecendo aos responsáveis por tal decisão no TRT/RJ de que os documentos gerados pelo BrOffice são gerados no padrão ODF (OpenDocument Format), que além de ser um Padrão Aberto, é ainda uma Norma Internacional – ISO/IEC 26.300 (portanto um VERDADEIRO “Padrão Internacional”) e uma Norma Brasileira, a NBR ISO/IEC 26.300:2008.

O ODF está sendo adotado cada vez mais por governos do mundo todo como o padrão de armazenamento de informações governamentais, principalmente por garantir a longevidade no armazenamento das informações e por não ser dependente de uma única Suíte de Escritório, sendo suportado atualmente por uma extensa lista de soluções em software incluindo softwares livres e proprietários.

O ODF é desenvolvido de forma totalmente aberta e transparente por um consórcio internacional (OASIS ODF TC) e seu desenvolvimento conta atualmente com inúmeras empresas como Adobe, Boeing , Google, IBM, Intel, Microsoft, Nokia, Novell e Oracle, entre outras, além de especialistas do mundo todo, como este brasileiro que lhes escreve.

A adoção crescente do ODF no Brasil pode ser vista pela lista de signatários do Protocolo Brasília, um documento publicado em Diário Oficial onde empresas e organizações se comprometem publicamente com a adoção e promoção do padrão ODF. A lista de signatários do Protocolo Brasília, que atualmente envolve mais de 2 milhões de usuários no Brasil, é composta por empresas e órgãos públicos como SERPRO, Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil, Ministério das Relações Exteriores, Marinha, Exército, Aeronáutica, DATAPREV, Correios, INPE, INPI, Itaipu Binacional, ITI, SLTI, CELEPAR, Petrobrás e Cobra Tecnologia, entre outras.

O Governo do Estado do Paraná sancionou em 2007 uma lei que trata da utilização de ODF como formato de armazenamento de informações de documentos governamentais e um projeto de lei semelhante está em análise atualmente no Congresso Nacional (PL-3070/2008).

A arquitetura e-Ping (Padrões de Interoperabilidade de Governo Eletrônico), documento que “…define um conjunto mínimo de premissas, políticas e especificações técnicas que regulamentam a utilização da Tecnologia de Informação e Comunicação (TIC) no governo federal, estabelecendo as condições de interação com os demais Poderes e esferas de governo e com a sociedade em geral…“, em sua versão mais recente, descreve o Padrão ODF como “ADOTADO”, enquanto sequer cita os formatos proprietários .DOC, .PPT e .XLS e seus sucessores .DOCX, .PPTX e .XLSX, indicando de forma clara à todo o governo e sociedade que a recomendação oficial do Governo Federal é a utilização do ODF. Os formatos .DOC, .XLS e .PPT já foram citados em versões anteriores da e-Ping e sua utilização foi substituída pelo padrão ODF.

Gostaria ainda de sugerir aos membros do TRT/RJ que entrem em contato com o TRT da 13° região, pois eles utilizam com sucesso o BrOffice e o padrão ODF e até onde sei é o único TRT onde 100% dos processos são eletrônicos no Brasil. Lembro-lhes ainda que nova versão do padrão ODF (ODF 1.2) tem suporte a assinaturas digitais compatível com a ICP-Brasil, funcionalidade extremamente importante para o Judiciário Brasileiro.

Tendo em vista o exposto, gostaria de solicitar aos responsáveis no TRT/RJ a revisão de tal decisão, pois considero que a decisão é retrógrada e deixa, mesmo que de forma involuntária, a mensagem de que as Normas Brasileiras não devem ser respeitadas por todos, o que torna desnecessário o intenso trabalho de normalização que nós brasileiros realizamos no Brasil e no cenário Internacional.

Coloco-me desde já á disposição do TRT/RJ para esclarecer os benefícios da adoção do Padrão ODF e quaisquer outras dúvidas que tiverem sobre este assunto.

Jomar Silva

Diretor Executivo – ODF Alliance América Latina

Posted in Aplicativos, BrOffice, Conhecimento Livre, cultura hacker, Cultura Livre, Desenvolvimento colaborativo, iniciante em Linux, Instalação de programas no Linux, Legislação, LibreOffice, Microsoft, OASIS, ODF, Política, Software, Software Livre | Leave a Comment »

Lançado a primeira versão estável do LibreOffice

Posted by Paulo em 25/01/2011

Abaixo transcrevo o Press Release que, modestamente, fui eu quem traduzi para o portal oficial do BrOffice 😀

TDF lança o BrOffice 3.3

A primeira versão estável do pacote de programas de escritório livre está disponível para download

A The Document Foundation lança o BrOffice 3.3, a primeira versão estável do pacote de programas para escritório livre desenvolvido pela comunidade. Em menos de quatro meses, o número de desenvolvedores trabalhando no BrOffice cresceu de menos de vinte no final de Setembro de 2010, para bem mais de uma centena hoje. A chegada de novos colaboradores, vindos de toda parte do mundo, acelerou o processo, apesar da agressiva agenda definida para o projeto.

O BrOffice 3.3 traz várias funcionalidades novas e originais, mas não é só isso; trata-se de uma conquista significativa por várias razões:

– a comunidade de desenvolvedores foi capaz de construir seu próprio processo de maneira independente, se estabelecer e começar a funcionar em um espaço de tempo muito curto (no que diz respeito ao tamanho do código básico e às fortes ambições do projeto);

– graças ao grande número de novas contribuições, através de desenvolvedores atraídos para o projeto, o código fonte sofreu uma limpeza rápida para oferecer uma base melhor para o futuro desenvolvimento do BrOffice;

– o instalador do Windows, que atinge a maior e mais diversificada base de usuários, foi integrada num pacote simples contendo todos os idiomas, reduzindo, assim, o tamanho do download de 75 para 11GB, tornando mais fácil para nós disponibilizar novas versões mais rapidamente e reduzindo a pegada de carbono de toda a infraestrutura.

Caolán McNamara da RedHat, um dos líderes da comunidade de desenvolvedores, disse: “Estamos animados: é nossa primeira versão estável, e portanto estamos ansiosos pelo retorno dos usuários, que será integrado tão logo seja possível, dentro do código, com as primeiras melhorias sendo liberadas em Fevereiro. A partir de Março, migraremos para uma agenda de versões baseada em tempo real, previsível transparente e pública, de acordo com o desejo do Comitê Gestor de Engenharia e com as solicitações dos usuários”. O roteiro de desenvolvimento do BrOffice está disponível em http://wiki.documentfoundation.org/ReleasePlan.

O BrOffice 3.3 traz várias funcionalidades exclusivas. As 10 mais populares entre os membros da comunidade são, não necessariamente nessa ordem: a capacidade de importar e manipular arquivos SVG; Facilidade para formatar páginas de título e a paginação no Writer; Uma ferramenta de navegação mais útil para o Writer; ergonomia melhorada no Calc para o gerenciamento de planilhas e células; e filtros de importação para documentos do Microsoft Works e do Lotus Word Pro. Além disso, várias ótimas extensões estão agora incorporadas, oferecendo importação de arquivos PDF, um painel de apresentação de slides, um assistente de relatório melhorado e muito mais. Uma lista mais completa e detalhada de todas as novas funcionalidades oferecidas pelo LibreOffice 3.3 está disponível na seguinte página da internet: http://www.libreoffice.org/download/new-features-and-fixes/.

O BrOffice 3.3 também oferece todas as novas funcionalidades do OpenOffice.org 3.3, tais como manipulação de novas propriedades personalizadas; incorporação de fontes PDF padrão em documentos PDF; nova fonte Liberation Narrow; proteção melhorada em documentos do Writer e do Calc; dígitos decimais automáticos para o formato “Geral” no Calc; 1 milhão de linhas em uma planilha; novas opções para a importação de arquivos CSV no Calc; inserção de objetos nas planilhas; rótulos hierárquicos para o eixo de rótulos nos gráficos; manipulação do layout dos slides melhorado no Impress; uma nova interface de impressão fácil de usar; mais opções para alteração de capitalização; e abas coloridas para as planilhas no Calc. Muitas dessas novas funcionalidades foram contribuições de membros da equipe do BrOffice anteriores à formação da TDF.

Os desenvolvedores do BrOffice se encontrarão na FOSDEM, em Bruxelas, em 5 e 6 de fevereiro, e apresentarão seus trabalhos em um workshop de um dia, em 6 de fevereiro, com palestras e seções de desenvolvimento de código coordenadas por vários membros do projeto.
O site da TDF está em http://documentfoundation.org. O site do BrOffice está em http://pt-br.libreoffice.org/, onde a página de download foi redesenhada pela comunidade para ser mais amigável.

*** Sobre a The Document Foundation
A TDF tem a missão de facilitar a evolução da Comunidade do OOo em uma organização nova, aberta, independente, e meritocrática nos próximos meses. Uma Fundação Independente é um reflexo melhor dos valores dos nossos contribuidores, usuários e apoiadores, e permitirá uma comunidade mais efetiva, eficiente e transparente. A TDF protegerá os investimentos já feitos através do aproveitamento das conquistas da primeira década, incentivará a larga participação dentro da comunidade, e coordenará as atividades na comunidade.

*** Contato com a TDF no Brasil
Olivier Hallot (Brasil)
Celular: +55 21 88228812 – E-mail: olivier.hallot@documentfoundation.org

Posted in Aplicativos, BrOffice, Conhecimento Livre, cultura hacker, Cultura Livre, Desenvolvimento colaborativo, iniciante em Linux, Instalação de programas no Linux, LibreOffice, OASIS, ODF, Software, Software Livre | Etiquetado: , , , | Leave a Comment »

Lançada a edição 17 da Revista BrOffice.org

Posted by Paulo em 07/12/2010

É com satisfação que comunicamos o lançamento da nossa Revista BrOffice.org.

A matéria de capa dessa edição nos revela o trabalho intenso de jovens da Universidade de São Paulo que trabalham duro para melhorar uma ferramenta que a maioria dos usuários BrOffice usam ou pelo menos deveriam usar, o Corretor Gramatical. Na verdade, foram dois lançamentos, o portal CoGrOO Comunidade e a nova versão do Corretor. Ainda sobre Universidades, a edição traz um artigo sobre a migração para tecnologias livres e BrOffice da Universidade Federal do Rio de Janeiro; uma entrevista com o idealizador do Universidade Livre, um projeto cujo objetivo é promover o uso de software livre nas universidades. Ainda temos um case de migração bem sucedido. Dessa vez, a Petros, fundo de pensão patrocinada pela Petrobras, migrou para BrOffice e fez um treinamento amplo para todos os 500 empregados com suporte técnico da OSCIP BrOffice.org. Na seção cultura, mais um episódio do Redblade e dica de filme. E ainda, dicas e tutoriais, Escritório Aberto, Dicas Rápidas.

Download: Edição 17

Boa leitura!

Posted in Aplicativos, BrOffice, Conhecimento Livre, cultura hacker, Cultura Livre, Desenvolvimento colaborativo, OASIS, ODF, Revista BrOffice.org, Software, Software Livre | Leave a Comment »

PG&C – Perspectivas em Gestão & Conhecimento

Posted by Paulo em 05/12/2010

PG&C – Perspectivas em Gestão & Conhecimento.

De iniciativa da Coordenação do Curso de Administração da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), nasce a idéia do periódico Perspectivas em Gestão & Conhecimento, empreendido através da cooperação entre docentes pesquisadores do Departamento de Administração e do Departamento de Ciência da Informação desta universidade, contando, ainda, com o apoio do Instituto Brasileiro de Informação Científica e Tecnológica (Ibict).

Perspectivas em Gestão & Conhecimento tem por objetivo publicar trabalhos originais e inéditos relacionados com as temáticas Gestão e Conhecimento sob abordagens que priorizem diálogos inter/pluri/multi/transdisciplinares e representem contribuição para o desenvolvimento de novos conhecimentos e/ou para aplicação nos diversos setores e organizações da sociedade. Saiba mais…

Posted in Conhecimento Livre, Cultura Livre, Desenvolvimento colaborativo, Livros e Treinamentos, OASIS, ODF, pasl.net.br, Software, Software Livre, Uncategorized | Leave a Comment »

Comitê gestor da TDF abre blog » Ideias, pensamentos e ideais

Posted by Paulo em 02/12/2010

Comitê gestor da TDF abre blog

Para apoiar a nossa abordagem aberta e transparente, o Comitê Diretor da Document Foundation abriu um blog em

http://blog.documentfoundation.org

Ele será usado pelos membros do Comitê Diretor e seus adjuntos para compartilhar notícias e conhecimento sobre o nosso progresso com a Fundação e sobre a evolução futura do LibreOffice. O blog reforça as conferências telefônicas públicas do Comitê Diretor [1], as conferências telefônicas públicas de marketing [2], bem como a lista de discussão pública do Comitê Diretor [3] e torna o trabalho da Fundação ainda mais transparente.

Além disso, desde o primeiro dia, nós fornecemos um Planet para coletar vários feeds da TDF e blogs relacionados Libo. [4]

Atenciosamente,

O Comitê Diretor da Document Foundation

[1] http://wiki.documentfoundation.org/TDF/Steering_Committee_Meetings
[2] http://wiki.documentfoundation.org/Marketing/ConfCalls
[3] http://www.documentfoundation.org/contribution/#lists
[4] http://planet.documentfoundation.org

Fonte: http://www.broffice.org/comite_gestor_abre_blog

Posted in Aplicativos, BrOffice, Conhecimento Livre, cultura hacker, Cultura Livre, Desenvolvimento colaborativo, LibreOffice.org, OASIS, ODF, OpenOffice.org, Revista BrOffice.org, Software, Software Livre | Etiquetado: , , , , , | Leave a Comment »

Mensagem para os jovens…

Posted by Paulo em 02/12/2010

Eu tenho mais ou menos 25 anos de profissão. Sou técnico em eletrônica, e trabalhei metade da minha carreira na área de telecomunicações e a outra metade na área de TI, e por vezes, trabalhei na linha divisória entre as duas áreas. Eu tive meus primeiros contatos com computadores por volta de 1984, rodando simuladores de vôo em computadores TK-82 (processadores Z80 com 4kbytes de memória), que vinham em fitas k7, ou em DGT1000, nos laboratórios do CEFET-MG, programando Z80 em Assembler. Pouco depois, eu era um dos raros profissionais de BH que tinha um curso do Intel 8086/8088, e isso me garantiu a oportunidade de ser um dos poucos, na época, com a competência técnica para reparar computadores PC-XT a nível de componente. Sim, eu consertava placas mãe e controladoras com um multímetro e um osciloscópio, além de vários disquetes de teste. Eu também fazia alinhamento de drivers de disquete, consertava impressoras e todo tipo de equipamento que quase ninguém conhecia, como terminais VT-100, cujo maior problema eram as portas seriais RS-232 que queimavam com frequência. Na época em que me formei, não existiam cursos de informática, cursos de graduação em “TI” e coisas assim. Nós aprendemos tudo na prática.

Continue lendo »

Posted in Aplicativos, BrOffice, Conhecimento Livre, cultura hacker, Cultura Livre, Desenvolvimento colaborativo, iniciante em Linux, Legislação, Microsoft, OASIS, ODF, Política, Software, Software Livre | Etiquetado: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Leave a Comment »

Como andam o ODF e o OpenXML?

Posted by Paulo em 01/12/2010

Artigo original de César Taurion disponível em https://www.ibm.com/developerworks/mydeveloperworks/blogs/ctaurion/entry/status_atual_do_odf_e_openxml?lang=en

Status atual do ODF e OpenXML

Outro dia, almoçava com um amigo que me perguntou:- Como vão as coisas com o ODF aqui no Brasil? Parece que estão meio paradas…

Realmente, o assunto “padrão aberto de documentos” saiu do noticiário da mídia especializada, embora continue muito importante.

A cada dia, geramos mais e mais documentos eletrônicos. Provavelmente, nos próximos cinco anos geraremos tantos documentos digitais quantos foram gerados nos últimos 25 ou 30 anos. Adotar um padrão aberto para documentos é essencial para governos. Governos precisam compartilhar informações entre os seus diversos órgãos sem ter que se preocupar com incompatibilidades entre os formatos de documentos. Os governos tem que garantir a integridade e perpetuidade dos seus documentos, que são a memória da nação, mesmo após o software que o criou ter desaparecido do mercado. Documentos podem existir por dezenas ou centenas de anos. O mesmo não deverá acontecer com os softwares que compõem uma suíte de escritório. A adoção de um padrão aberto, baseado em XML, garante que mesmo sem o software original, o documento continuará sendo acessado. Além disso, os governos também tem que garantir que uma informação pública seja acessada por qualquer produto de software, sem impor aos cidadãos a obrigatoriedade de uso de um determinado software.

Mas o que é um padrão aberto? É um padrão independente de fornecedor (não pode ser controlado por nenhuma empresa ou pessoa), publicado de forma aberta, sem restrições de licenciamento e pagamentos de royalties, não aprisionando o usuário a uma única plataforma.

Um padrão aberto é fundamental para o nosso mundo globalizado e interligado. Os países, empresas e os cidadãos interoperam uns com os outros e, para que esta interoperabilidade aconteça. é absolutamente necessário que todos estejam de acordo com a forma desta interoperabilidade ocorrer. Ou seja, quanto mais padronizados forem os mecanismos de interoperabilidade, menos esforço vai demandar para criarmos interfaces de interoperação e mais rápida e ágil ocorrerá a comunicação. Simples assim. Aliás, sem padrões abertos simplesmente não teríamos a Internet!

Padrões abertos tornam possível que quaisquer empresas, cidadãos e países se plugem no mundo globalizado. Com padrões abertos, produtores podem colaborar e cooperar nos interfaces e inovar e competir em outras funcionalidades. Por outro lado, padrões proprietários criam barreiras econômicas, pois exigindo pagamento de royalties (e muitas vezes um padrão proprietário embute diversas tecnologias patenteadas, com royalties acumulados), encarecem os produtos e dificultam a competitividade.

Neste contexto, muitos governos já adotaram ou estão em via de adotar o ODF (Open Document Format) como seu padrão aberto de documentos. Mas ainda vemos muita confusão e desinformação sobre esta questão, principalmente pelo surgimento de um padrão alternativo, o OpenXML, proposto pela Microsoft.

Este padrão foi proposto inicialmente como uma forma de preservar o espaço criado pelos formatos proprietários da suite Office, diante das demandas dos governos por padrões abertos, que começavam a voltar sua atenção ao ODF. Para tornar o OpenXML aberto, seria fundamental que ele fosse aceito pela ISO (Organização Internacional de Padrões). Depois de muitos debates e discussões, cujo histórico pode ser visto na coletânea de posts sobre o assunto em http://www.smashwords.com/books/view/2969, a Microsoft concordou em criar duas classes de conformidade. Uma delas, chamada de “Transitional”, incluia componentes que dependiam diretamente de recursos disponíveis exclusivamente no sistema Windows, e que seria adotada como meio de facilitar a transição dos documentos legados, em formato proprietário, para o padrão aberto. Esta classe de conformidade deveria ser usada, portanto, apenas para a migração e não para a criação de novos documentos. A outra classe, “Strict”, satisfazia as demandas da ISO e o OpenXML, foi então aprovada como padrão aberto pela entidade, como ISO/IEC 29500, em março de 2008.

Mas como estão as coisas agora, em 2010? O ODF está sendo adotado por governos de vários países do mundo, inclusive Brasil. O OpenXML, por sua vez, é implementado por um conjunto de versões diferentes, o que gera incompatibilidade e riscos de preservação  e acessos futuros aos documentos. Vejamos:

a)    A versão originalmente proposta do OpenXML, chamada de Ecma 376, foi rejeitada pela ISO. É uma versão que contém muitos componentes altamente dependentes do Windows e portanto não pôde se considerada um padrão aberto. O usuário desta versão está preso ao Office da Microsoft.

b)    A versão “Transitional” não deve ser usada para gerar novos documentos e é interessante que nem mesmo os produtos Office 2007 e 2010 da Microsoft conseguiram implementar todas as especificações desta versão. Aliás, o Office 2010 implementa uma versão extendida do “Transitional”, com extensões proprietárias que não estão incluídas nas especificações aprovadas pela ISO.

c)    A “Strict” é a que deve ser usada para gerar novos documentos. Mas nem mesmo o Office 2010 consegue gravar arquivos nesta versão. Na prática, ao não implementar a “Strict” e criar extensões proprietárias à “Transitional”, a Microsoft mantém sua estratégia de padrão fechado, embora agora com uma camada de verniz para ser chamado de “aberto”.

Muito bem, voltando à pergunta original, minha recomendação é que as empresas e governos continuem adotando o padrão ODF e fiquem alertas para não adotarem o OpenXML em uma versão que não seja a “Strict”.

Posted in Aplicativos, Conhecimento Livre, cultura hacker, Cultura Livre, Desenvolvimento colaborativo, Go-OO, Legislação, LibreOffice.org, Microsoft, OASIS, ODF, OpenOffice.org, Política, Software, Software Livre | Etiquetado: , , , , , , , , , , , , | Leave a Comment »

O maior obstáculo na adoção do FOSS e do GNU/Linux

Posted by Paulo em 20/11/2010

Esse post não é meu. É de um blogueiro indiano chamado Narendra Sisodiya http://blog.narendrasisodiya.com/. O post abaixo retrata as dificuldades de várias entidades e de muitos usuários comuns quando tentam migrar para o GNU/Linux e o FOSS, e mostra algumas das iniciativas indianas para promover a sua adoção.

Tradução do original disponível em http://blog.narendrasisodiya.com/2010/11/biggest-hurdle-in-fossgnulinux.html

The biggest hurdle in FOSS/GNU/Linux adaptation

Deixem-me falar sobre a maior dificuldade na adoção do Software Livre.
Esse obstáculo são os “Drivers Proprietários de Hardware“.
Na Índia recenttemente aprovamos uma “Política de Padrões Abertos”. É uma grande vitória para as comunidades de  Software Livre e nossos líderes.
Da mesma forma, precisamos de uma política de venda de Hardware. Essa política deve especificar que “Qualquer hardware que o governo compre deve ter uma especificação de drivers aberta.”

Por que isso é importante ?

Deixem-me explicar através de um exemplo.
Uma escola da minha cidade comprou um hardware a um ano atrás. Na época da compra, eles não conheciam o Linux. Agora, mesmo que queiram migrar para o Linux, ele precisam contratar uma consultoria para isso. Isso porque muitos dos dispositivos de hardware têm uma certa dificuldade de funcionar com o GNU?Linux, isso porque o GNU/Linux não possui os drivers proprietários desses dispositivos. Por exemplo, algumas webcams não funcionam no GNU/Linux, ou a maioria dos lousas interativas, que são uma tendência nas escolas, etc.

Estimados defensores do Software Livre, vocês precisam se lembrar que vocês podem visitar uma escola, ou universidade, e tentar instalar o GNU/Linux, MAS, vocês não podem alterar o hardware de um sistema. Temos de ter uma política clara que especifique que diga: “todo dispositivo deve ter uma especificação ou drivers disponíveis para todos os sistemas operacionais do mercado”.

Precisamos seriamente criar uma lista negra de drivers proprietários e de hardware e impedir sua comercialização.
Hardware proprietário é um monopólio tão perigoso quanto, ou mais do que o software proprietário.Aqui está uma lista das coisas perigosas e antiéticas:

Patentes de software       (O maior perigo)
Drivers e Hardware proprietário
Padrões proprietários
Software proprietário      (o menor perigo dessa lista)

O motivo de pelo qual dei uma classificação de perigo menor para o software proprietário é porque é fácil obter uma equivalente (por exemplo, um software livre). Por exemplo, o Firefox e o Chrome podem substituir o IE, porque ambos funcionam com o HTML.
Mas é complicado conseguir uma adaptação equivalente de um padrão proprietário largamente adotado. Por exemplo, doc x odt.
De maneira parecida, será difícil difundir o GNU/Linux por toda a Índia por causa do perfil de hardware e dos hardwares e dos seus drivers proprietários.

Por – Narendra Sisodiya

Isso me faz lembrar nossas dificuldades discutidas infinitamente nos fórums e listas de discução do SL em nosso país. Nossa dificuldade não é só nossa. Nossa dificuldade não é “proprietária”.

Posted in Aplicativos, Apple, Asus, Big Linux, BrOffice, CentOS, Conhecimento Livre, cultura hacker, Cultura Livre, Debian Linux, Desenvolvimento colaborativo, Dicas e truques, DSL, EeePC, Fedora, Firefox, Firefox, FreeBSD, Games, Go-OO, Google Android, Google Chrome OS, Hardware, História, iniciante em Linux, Instalação de programas no Linux, instalação do Ubuntu, Intel Moblin, iPad, Jolicloud, Kubuntu, Kurumin, Legislação, LibreOffice.org, Linux Acessível, Linux Mint, Linuxacessível.org, Mandriva, MeeGo, Microsoft, Mini 10, Mini 9, Mini PC, Moblin, Modem 3G, Mozilla Firefox, Multifuncionais, Netbook Remix, Netbooks, Netscape, OASIS, ODF, OpenBSD, OpenOffice.org, OpenPC, OpenSUSE, OpenSUSE, pasl.net.br, Política, Puppy Linux, Receptor de TV Digital AOC, Red Hat, Satux, Scientific Linux, SK1, Slackware, Slackware, Smartbooks, Smartphones, Software, Software Livre, Tablet PC, Ubuntu Linux, Webcam, Wireless | Etiquetado: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | 1 Comment »

Itaipu lança Centro de Excelência em Software Livre

Posted by Paulo em 12/11/2010

Original de gbpacheco em http://www.broffice.org/Itaipu_lanca_centro_excelencia_software_livre

Itaipu lança Centro de Excelência em Software Livre

Posted novembro 11th, 2010 by gbpacheco

A Itaipu Binacional, em parceria com a Oscip BrOffice.org, implantou um Centro de Excelência em Software Livre (CESL) no Parque Tecnológico Itaipu (PTI). O anúncio da parceria foi feito na quarta-feira (10), durante a abertura da VII Conferência Latino Americana de Software Livre (Latinoware) pela Superintendente de Informática da Itaipu, Marli Portella.

A idéia do projeto é ter um núcleo de pesquisa, desenvolvimento e inovação visando dar suporte ao desenvolvimento do BrOffice.org, internacionalmente LibreOffice.

Esta parceria visa ampliar a posição do Brasil com relação ao efetivo desenvolvimento do software livre, migrando de uma posição de usuários para produtores de tecnologia. Também busca incentivar a sinergia com o desenvolvimento internacional ao mesmo tempo em que combate a evasão de divisas relacionadas ao pagamento de royalties.

Adicionalmente, a Itaipu também apoiará produtos reconhecidos pela comunidade e utilizados por ela, tais como o Expresso, implementações livres de bases de dados e distribuições Linux.

Desenvolvimento Regional

O núcleo de desenvolvimento do Centro de Excelência em Software Livre também irá promover o desenvolvimento regional na bacia do Paraná (BP3), conterá cinco empresas de software livre incubadas ou graduadas no PTI e 100 profissionais da região. Os envolvidos irão trabalhar com desenvolvimento, consultoria e serviços relacionados a software livre, gerando renda local de R$ 5 milhões até 2013.

Fonte: Latinoware

Posted in Aplicativos, BrOffice, Conhecimento Livre, cultura hacker, Cultura Livre, Desenvolvimento colaborativo, OASIS, ODF, Revista BrOffice.org, Software, Software Livre | Etiquetado: , , , , , , , , , , , , , , , | Leave a Comment »

Usar Windows está cada dia mais perigoso

Posted by Paulo em 11/11/2010

Existe uma situação interessante acontecendo no mundo, hoje em dia, em particular, no Brasil: o acesso à informação, à Internet está, cada dia, mais popularizado. As vendas de PCs para as classes C e D aumentam todos os anos (http://www.opovo.com.br/www/opovo/economia/894675.html). A inclusão digital está atingindo grandes parcelas da população.

O lado oculto dessa moeda é que os crimes digitais também aumentaram, mas de maneira desproporcional (http://idgnow.uol.com.br/seguranca/2010/11/10/brasil-e-3-o-em-hospedagem-de-sites-com-malware-criminoso-diz-websense/). A matéria traz duas informações alarmantes: em um ano, o número de sites maliciosos mais que dobraram e, hoje, sites com algum tipo de código malicioso representam 20% dos sites da internet. Isso significa que você tem uma chance em cinco de entrar num site que coloque um vírus na sua máquina, sem que você saiba.

Existe um ciclo vicioso nessa história. Vejamos como explicar isso de maneira bem didática:

Continue lendo »

Posted in Apendendo Linux, Aplicativos, Apple, Big Linux, BrOffice, CentOS, Conhecimento Livre, cultura hacker, Cultura Livre, Debian Linux, Desenvolvimento colaborativo, Dropbox, DSL, Fedora, Firefox, Firefox, FreeBSD, Go-OO, Google Android, Google Chrome OS, Hardware, História, iniciante em Linux, Instalação de programas no Linux, instalação do Ubuntu, Intel Moblin, Jolicloud, Kubuntu, Kurumin, Legislação, LibreOffice.org, Linux Acessível, Linux Mint, Linuxacessível.org, Livros e Treinamentos, Mandriva, MeeGo, Microsoft, Mini 10, Mini 9, Mini PC, Moblin, Modem 3G, Mozilla Firefox, Netbook Remix, Netbooks, Netscape, ODF, OpenBSD, OpenOffice.org, OpenPC, OpenSUSE, OpenSUSE, pasl.net.br, Política, Puppy Linux, Red Hat, Revista BrOffice.org, revista espírito livre, Revista Espírito Livre, Satux, Scientific Linux, SK1, Slackware, Slackware, Smartbooks, Smartphones, Software, Software Livre, Tablet PC, Ubuntu - Guia do Iniciante, Ubuntu Linux, Virus, Webcam, Wireless | Etiquetado: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Leave a Comment »

BrOffice.org disponibiliza servidor para a comunidade Internacional TDF

Posted by Paulo em 03/11/2010

artigo original em: http://www.broffice.org/broffice_disponibiliza_servidor_tdf

Posted novembro 3rd, 2010 by luizheli

ServidorO propósito disso é apoiar efetivamente a The Document Foundation colaborando em uma área crítica, a infraestrutura. Como a BrOffice.org participou da formação inicial da TDF, sabia sobre a estrutura necessária para poder acomodar a infra para suportar a demanda pelo LibreOffice.

Já na reunião de criação da TDF em Budapeste, por acasião do OOCon, Conferência do OpenOffice.org, Claudio Filho, na qualidade de líder do projeto OOo no Brasil e um dos fundadores da TDF ofereceu o suporte da infra da BrOffice.org para a TDF. A BrOffice.org acabou materializando a oferta em tempo recorde.

Com isso, a BrOffice.org cumpre o seu papel de materializar a comunidade internacional e agregar os esforços de nacionalização, incluindo a tradução. Há uma equipe, liderada por David Jourdain, que está assessorando a instalação e a configuração do servidor.

O servidor está hospedado pela HostGator, empresa que oferece serviços de revenda, hospedagem e servidor dedicado. Sobre o servidor, é um Dual core Xeon, com 8GB de memória, 256 GB de disco em RAID e sistema operacional Debian. Há 2500 GB de tráfego mensal disponível. Este servidor é pago pela BrOffice.org.

“Estamos em testes para acomodar a tradução do LibreOffice 3.3 para poder efetivar a instalação do LO 3.4. Neste momento temos a maioria absoluta de lideres de tradução do OpenOffice.org testando o nosso servidor. Nossa esperança é que tenhamos nosso servidor como referencia de tradução do LO. e seja um agregador da comunidade de tradutores para o LO”, explica o diretor voluntário da BrOffice.org e um dos conselheiros da TDF, Olivier Hallot.

imagem:openclipart

Posted in Aplicativos, BrOffice, Conhecimento Livre, cultura hacker, Cultura Livre, Desenvolvimento colaborativo, Go-OO, OASIS, ODF, Software, Software Livre | Etiquetado: , | Leave a Comment »

Linux desbanca Windows no mercado de datacenters

Posted by Paulo em 19/10/2010

Voltando àquele suposto número mágico de 1%, uma recente pesquisa da Linux Foundation aponta que o Linux está roubando uma fatia considerável do Windows no datacenters.

Para quem não sabe, datacenters são centros de serviços de TI, onde empresas podem contratar serviços como hospedagem de sítios, bancos de dados, virtualização e computação em nuvem, entre outros serviços.

Artigo original em http://www.itweb.com.br/noticias/index.asp?cod=72718

Continue lendo »

Posted in Aplicativos, BrOffice, Conhecimento Livre, cultura hacker, Cultura Livre, Debian Linux, Desenvolvimento colaborativo, Fedora, iniciante em Linux, Instalação de programas no Linux, instalação do Ubuntu, LibreOffice.org, Linux Mint, Linuxacessível.org, Mandriva, Microsoft, ODF, OpenOffice.org, OpenSUSE, Scientific Linux, Slackware, Software, Software Livre, Ubuntu Linux | Etiquetado: , , , , , , , , , , , , , , | Leave a Comment »

Opinião: Por que a Microsoft está tão assustada com o OpenOffice? – Computação Corporativa – IDG Now!

Posted by Paulo em 15/10/2010

Um burburinho apareceu hoje no mundo do Software Livre. A Microsoft publicou um vídeo, no qual coloca opiniões de supostos clientes que migraram para o OpenOffice, o software de escritório em código aberto, concorrente do Microsoft Office, e depois se arrependeram e retornaram a utilizar o pacote da empresa.

Pessoalmente, eu acho isso ótimo. Antes, quando o domínio era total, a empresa nem tomava conhecimento da concorrência, ditava as regras e impunha padrões fechados. Agora, a empresa começa a estratégia de FUD (Fear, Uncertainty and Doubt – Medo, Incerteza e Dúvida), o que indica claramente que eles reconheceram que a concorrência existe, e não é desprezível.

Como de costume, segue-se a cartilha do marketing, da qual temos exemplos durante os últimos anos, que começa com não tomar conhecimento da concorrência, quando a domínio é absoluto. O segundo passo da cartilha, é quando a concorrência já não é tão desprezível assim, e recomenda a implantação do medo, da incerteza e da dúvida, como uma ameaça aos que ousarem a se aventurar para fora do seu domínio. O terceiro passo, envolve a difamação escancarada do concorrente e, por fim, o quarto passo a utilização de métodos “não ortodoxos” de convencimento, também conhecido como “a mala”.

Se o OpenOffice, doravante conhecido como LibreOffice, já chama a atenção da, antes onipresente, empresa, significa que seu conceito aumentou na empresa, e isso deve ser um motivo de alegria e orgulho para a comunidade. No artigo publicado no IDG Now!, Por que a Microsoft está tão assustada com o OpenOffice?, Katherine Noyes mostra que minha opinião não é a única, e que as coisas estão mudando no mundo do software livre… Pra melhor.

O vídeo da Microsoft pode ser visto aqui: http://www.microsoft.com/showcase/en/US/details/faaf9eb8-77c6-4bed-bc08-c069a7bfbb04

Posted in Aplicativos, BrOffice, Conhecimento Livre, cultura hacker, Cultura Livre, Desenvolvimento colaborativo, iniciante em Linux, Instalação de programas no Linux, instalação do Ubuntu, LibreOffice.org, Microsoft, OASIS, ODF, OpenOffice.org, Política, Software, Software Livre | Etiquetado: , , , , , , , , | Leave a Comment »

Twitcam com Marcos Mazoni

Posted by Paulo em 04/10/2010

Marcos Mazoni, presidente do Serpro, a maior empresa de TI da América Latina fala sobre o Plano Nacional de Banda Larga, Software Livre, entre outras coisas.

http://static.livestream.com/chromelessPlayer/wrappers/TwitcamPlayer.swf?hash=28bsz

twitcam –> http://twitcam.com/28bsz

Posted in Conhecimento Livre, cultura hacker, Cultura Livre, Desenvolvimento colaborativo, iniciante em Linux, Legislação, OASIS, ODF, Software, Software Livre | Etiquetado: , , , , , , , , | Leave a Comment »

O que a Oracle queria fazer com o OpenOffice.org

Posted by Paulo em 29/09/2010

Depois dizem que somos reclamões, mas quer pirataria maior do que essa? Olha só o que a Oracle estava anunciando na sua loja virtual (https://shop.oracle.com/pls/ostore/f?p=ostore:2:0):

Clique na imagem para aumentá-la

Posted in Aplicativos, BrOffice, Conhecimento Livre, cultura hacker, Cultura Livre, Desenvolvimento colaborativo, Legislação, ODF, OpenOffice.org, Software, Software Livre | Etiquetado: , , | Leave a Comment »

Porque a Microsoft erra ao continuar criticando o uso do software Open Source?

Posted by Paulo em 16/09/2010

Artigo original em: http://bsrsoft.com.br/portal/bsrsoft/bsrsoft-dev-editorial-porque-a-microsoft-erra-ao-continuar-criticando-o-uso-do-software-open-source/

Nesta terça-feira, 14 de setembro de 2010, o presidente da Microsoft para América Latina, Hernán Rincón, criticou a decisão de alguns governos da região, incluindo, e especialmente o Brasil, de incentivar – ou mesmo obrigar – a adoção de software livre em seus serviços públicos e sistemas educacionais.

Comentou: “Com todo respeito ao Brasil, mas qual deveria ser o papel do governo? Desenvolver software ou melhorar a vida da pessoas?”

Cometeu diversos enganos, aparentemente de forma intencional, haja visto que trata-se do principal executivo da Microsoft na região que de forma previsível defende o modelo de negócio desta, o software fechado.

Cometeu engano quando vinculou o uso de software livre pelo governo brasileiro à uma hipotética necessidade de desenvolvimento interno de software.

Esqueceu-se de maneira proposital, que software livre, pronto, está disponível livremente por ai. Na maior parte dos casos, nenhum desenvolvimento adicional é necessário.

Muito do que é feito simplesmente, é se escolher o software necessário (livre) e se não houver pessoal interno do serviço público habilitado à instalá-lo e mantê-lo, contrata-se uma empresa especializada para fornecer o devido suporte. Só que neste caso, não entra a Microsoft já que até hoje esta não fornece suporte à software livre.

E apesar de tudo isso, desenvolvimento de software ainda é uma tarefa corriqueira em todos os governos do mundo. Por que isso haveria de ser uma aberração aqui no Brasil?

O governo brasileiro prefere e muitas vezes obriga a apresentação de software livre em suas licitações por diversos motivos, destacando-se:

  • Muitas empresas brasileiras podem prover suporte e desenvolvimento sob software livre, criando empregos, capacitando mão-de-obra em tecnologias de ponta e criando tecnologia de ponta;
  • Possibilidade de auditoria imparcial e total sobre o que setores estratégicos do governo estão rodando em seus computadores, impossibilitando espionagem via back-doors nos programas, por exemplo;
  • Independência tecnológica e independência de fornecedor;
  • Garantia de interoperabilidade entre sistemas diferentes que usem protocolos abertos;

São ótimos motivos para qualquer governo no mundo preferir software aberto e livre.

A NSA (Agência Nacional de Segurança dos EUA especializada em espionagem eletrônica) roda Linux nas estações de trabalho internas, para que tenham acesso ao código de todo programa que usam.

O DoD (Departamento de Defesa dos EUA) segue linha parecida.

O governo da França também e pelos mesmos motivos do Brasil.

Aparentemente a Microsoft vem atacando a iniciativa brasileira pró open source, pois o Brasil perfaz 45% do faturamento deles na América Latina, sendo esta a região com a melhor curva de lucratividade para a empresa atualmente.

Estão defendendo a galinha dos ovos de ouro. às custas de espalhamento de desinformação e medo.

E justo nesses dias em que a Microsoft vem ventilando para todo mundo ouvir, que coexiste bem com o software livre e que até “ama o software livre”.

Palavras ao vento não valem nada. O que funciona de verdade, são ações concretas.

————————————————————————————————————————————–

Matéria sobre o assunto: http://idgnow.uol.com.br/mercado/2010/09/14/executivo-da-microsoft-critica-posicao-brasileira-sobre-software-livre/

Posted in Aplicativos, BrOffice, Conhecimento Livre, cultura hacker, Cultura Livre, Debian Linux, Desenvolvimento colaborativo, Fedora, Firefox, Firefox, Google Android, Intel Moblin, Jolicloud, Legislação, Linux Mint, Linuxacessível.org, Mandriva, MeeGo, Microsoft, Mozilla Firefox, ODF, OpenOffice.org, OpenSUSE, Política, Scientific Linux, Slackware, Software, Software Livre, Ubuntu Linux | Etiquetado: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Leave a Comment »

Novidades da conferência mundial do OpenOffice

Posted by Paulo em 11/09/2010

Artigo original em IT Web – Blogs – Jomar Silva.

Passei a semana toda acompanhando remotamente a conferência mundial do OpenOffice (OO.o conf) que foi realizada em Budapeste para poder publicar aqui as novidades por lá.

Como todos sabem, a Oracle ainda não havia se pronunciado sobre o futuro do projeto OpenOffice e adivinha o que eles fizeram durante o evento…. nada !

Eu fiquei tão irritado com mais esta demonstração pública de descaso deles, que tomei a liberdade de escrever um singelo Obituário para Larry Ellison, para ver se ao ler o texto (e tenho convicção que este texto chegará até ele), ele reflita um pouco mais sobre o que tem feito (ou deixado de fazer) nos últimos meses.

Ainda que nenhum anúncio significativo tenha sido feito durante o evento, pelo que acompanhei foram anunciadas algumas melhorias no OpenOffice (principalmente para os desenvolvedores e contribuidores do projeto) e fiquei feliz em ver que parte substancial do evento foi dedicada ao ODF.

Além de diversas palestras técnicas prá lá de interessantes sobre ODF, tivemos ainda uma demonstração muito boa da interoperabilidade do padrão, que chegou a ser televisionada na Hungria.

Um dos exemplos apresentados foi a utilização de RDF para armazenar o número de telefone de um autor de documento em um documento texto ODF feito com o OpenOffice. Ao abrir o documento em um visualizador de celular, o número de telefone foi reconhecido e com apenas um toque na tela o celular do autor do documento (que estava na mesma sala) começou a tocar…

Espero que dias melhores cheguem para o OpenOffice e espero ainda que nosso amigo Ellison “acorde” de verdade. Não dá mais prá ficar brincando com todo mundo como ele está fazendo: Não decidir é uma decisão !

Posted in BrOffice, Conhecimento Livre, Cultura Livre, Desenvolvimento colaborativo, ODF, OpenOffice.org, Política, Software, Software Livre | Etiquetado: , , | Leave a Comment »

 
%d blogueiros gostam disto: